Sabia que o Pirarucu tem um colete à prova de piranhas?

Se algum peixe fizer um movimento errado em partes dos rios amazônicos, ele pode se tornar um almoço para um bando de piranhas.

Até mesmo você se der algum vacilo, mas sabemos que algo que improvável de acontecer e já falamos disso aqui.

No entanto, tem um peixe que não se preocupa nem um pouco com as piranha.

Um peixe de 3 metros de comprimento e que é o rosto do Amazonas, para quem está por dentro já sabe de qual estou falando: O pirarucu.

Ele evoluiu com um novo método de afastar os predadores, uma armadura natural de escamas à prova de piranha que é construída como um colete à prova de facadas.

Fascinante, não?

O pirarucu

As escamas deste peixe monstruoso são tão fortes, que recentemente chamaram a atenção de cientistas da Universidade da Califórnia em Berkeley e da em San Diego.

Através do estudo dos segredos das escamas, eles esperam que os pesquisadores possam desenvolver armaduras sintéticas mais fortes e mais flexíveis para os militares no futuro.

“O design estrutural dessas escamas naturais de peixes de Arapaima Gigas realmente poderia inspirar pesquisadores a fazer materiais duros em Engenharia e campos biomédicos”, disse o Dr. Wen Yang, autor de estudos e cientista de projetos da UC San Diego, à IFLScience.

O Arapaima gigas é conhecida como pirarucu no Brasil e paiche no Peru, são inegavelmente peixes incríveis.

Podem ser encontrados na Bacia Amazônica, embora tenham sido introduzidos em corpos de água doce no Sudeste Asiático. Eles estão entre os maiores peixes de água doce do planeta e vertebrados de crescimento mais rápido, alcançando comprimentos de quase 3 metros. 

Pirarucu em um aquario de um restaurante em Manaus

Ainda mais peculiar, o pirarucu precisa respirar ar. Ele precisa ir à superfície e respirar ar a cada cinco a 15 minutos para obter até 95 por cento de seu oxigênio, com o resto sendo suplementado por água através de suas brânquias.

Saiba tudo sobre um dos maiores peixes de água doce: O Pirarucu

Infelizmente é isso o que o torna tão vulnerável a pescas predatórias.

Um colete a prova de facas

Escamas do Pirarucu de perto

Relatado na revista Cell Matter, pesquisadores tem examinado de perto as estruturas das escamas utilizando microscopia eletrônica de varredura, mostrando que essas escamas resistentes a penetração são bem similares a estrutura da coletes à prova de facas.

Em primeiro lugar, as escamas são tão grossas como um grão de arroz e cobertas em uma camada externa altamente mineralizada de colágeno. 

Além disso, existem também várias camadas de fibrilhas retorcidas de colágeno que ajudam a absorver a deformação. 

Ao contrário das armaduras do corpo sintético, as camadas e escamas não são mantidas juntas com um adesivo, mas são fortemente integradas naturalmente, uma vez que todas elas cresceram juntas. 

Imagens do teste de tenacidade à fraturas da escama-min
Imagens do teste de tenacidade à fraturas da escama

Esta estrutura hierárquica flexível significa que qualquer mordida ou punhalada não quebrará ou quebrará as escamas, irá torcer e deformá-la. A espessura das escamas, combinada com a estrutura global flexível, parece ser a chave para ser à prova de piranha.

“É difícil porque a camada mineral exterior pode proteger da penetração dos dentes. Enquanto a camada interna dura e flexível atua como um amortecedor para dissipar a energia”, acrescentou a Dra. Yang.

“É como colocar concreto em uma cerâmica”, continuou. “A cerâmica é quebradiça, mas teria alta resistência à faca ou força de compressão com o concreto dentro.
A combinação é muito mais dura e mais forte e mesmo que você a deixasse cair no chão, ela não racha. A vantagem da estrutura interna da Bouilgand [uma microestrutura em camadas e torcida] é que a fenda não é claramente propagada sob a força. Algumas das lamelas de colágenos reorientam-se para a direção da tensão, e algumas podem deslizar, esticar e delaminar sob a força.”

Risco de extinção

Mesmo com seu tamanho, a lista vermelha da IUCN afirma que não há dados suficientes para avaliar com precisão o número da população da espécie, no entanto, não é novidade que ele corre riscos. 

Pirarucu pegando oxigênio

Para começar, o seu hábito de subir regularmente para respirar o torna uma presa muito fácil. 

Além disso, um relatório do início do ano de 2019 descobriu que escamas Arapaima gigas são frequentemente usadas como um substituto barato para o couro.

Na verdade, se você comprou um par barato de botas de cowboy de couro nos EUA antes de 2000, há uma chance de que eles serem realmente feitos a partir da balança deste peixe colossal.

Bota feita com couro de Pirarucu

Então vamos ser conscientes e fazer o máximo para preservar esse peixe que é a face dos rios amazônicos. 

Deixe seu voto 😉
[Total: 0    Média: 0/5]
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Ei Vc, entre no Grupo do Telegram e veja as novidades da pescaAperte Aqui