Cavalo Marinho

Para a surpresa de alguns o Cavalo Marinho é um peixe. Melhor dizendo, é um gênero de peixe e existem vários espécies espalhado pelo mundo.

Ele é muito conhecido, pode perguntar a qualquer pessoa o que é um cavalo-marinho que provavelmente ela saberá de que animal está falando.

Muito curioso e único, vamos conhecer tudo desse peixinho fascinante.

Origem do seu nome

O nome Cavalo-Marinho de fato é muito intuitivo, ele realmente lembra um cavalo por causa do formato de sua cabeça. Mas a curiosidade vem do seu nome científico Hippocampus

Hipocampos na mitologia grega eram seres que suas partes superiores eram de cavalos que tinham guelra e sua parte inferior era no formato de peixe com escamas. 

Hipocampos

O nome Hippos em grego significa cavalo e Kampos que dizer monstro do mar.

Ele pertence Ordem dos Gasterosteiformes, da Família dos Syngnathidaes.

São cerca de 54 espécies conhecidas pelo mundo.

Características do Cavalo Marinho

Ele é um peixe sem escamas. É formado por uma série de anéis ósseos na parte externa e é muito resistente apesar do seu porte.

Seu tamanho varia de 5 cm a 35 cm de comprimento e ele pesa no máximo pouco mais de 100 gramas. 

Hippocampus abdominalis

O maior, que pode chegar a 35 cm, é o Hippocampus abdominalis mas é muito raro encontrar ele desse tamanho, em média se ver ele com 18 cm.

Sua cabeça é alongada e lembra muito a de um cavalo. Sua boca é comprida e apontado para baixo, não tem dentes e é tubular, então para se alimentar ele suga sua comida.

O cavalo marinho tem nadadeiras peitorais bem pequenas. Elas fica atrás do opérculo, sua placa que protege as brânquias,

Ele também tem nadadeiras dorsais e as usa para propulsão e uma nadadeira anal. 

Toda essa combinação faz com que ele nade de uma maneira curiosa: Como corpo na vertical movimento bem rápido suas barbatanas.

Mas esse kit curioso lhe custa sua velocidade, ele consegue chegar no máximo à 150 cm/h, ou seja, 1,5 m/h.

Para comparação, uma lesma tem velocidade média de 9,9 m/h. Então como é que esse peixe consegue comer? Lá embaixo explico melhor isso.

O cavalo marinho possui ainda uma cauda preênsil, ele a usa para se agarrar no substrato.

Ele tem algumas característica parecidas com a do camaleão.

Primeiro os olhos, ele consegue mover eles de maneira independente, um para cada lado.

E a outra é que possuem a capacidade de mudar de cor, ele faz isso para que possa se camuflar contra predadores e também para reprodução.

Onde Podemos Encontrar

Vemos o cavalo marinho por quase todas a águas rasas tropicais e temperadas de todo o mundo.

Da América do Norte ao Sul encontramos 4 espécies no oceano Pacífico, sendo que no Brasil são somente 2. 

Localização dos cavalos marinhos pelo mundo

No oceano Atlântico encontramos a espécie Erectus, que vai da Nova Escócia ao Uruguai. 3 espécies vivem no mar Mediterrâneo. Os restantes são espalhados pelas demais regiões

Hábitos do Cavalo Marinho

Ele vive em gramas marinhas, recifes de corais, estuários e manguezais mas ele prefere mesmo é ficar em campos de algas.

Normalmente ficam a 8 a 45 metros de profundidade mas podem ser encontrados em 90.

Os cavalos marinhos são territoriais, os machos fazem cerca de 1m² seu território, enquanto a fêmea faz cem vezes mais do que isso.

Sua Alimentação

Por incrível que pareça, ele é carnívoro e é um bom predador. Mesmo sendo bem lento.

Eles se ancoram em alga, coral ou em qualquer coisa que for possível com a sua cauda e espera sua vítima passar perto. Normalmente são pequenos crustáceos ou camarões que passam flutuando ou rastejando no fundo.

Quando vê sua presa o cavalo marinho se aproxima silenciosamente graças a sua tromba e ossos malares lisos. O pobre crustáceo nem percebe ele se aproximando. Quando ele está a cerca de 1 milímetro do alvo ele finalmente o ataca.

Ele se estica movendo sua cabeça para frente e alcançar sua presa em menos de 1 milionésimo de segundo, ou seja, em 0,000001 segundo. Isso é extremamente rápido e suas presas não tem reação.

Quando chega nessa distância, 94% dos seus ataques são efetivos. Além do mais 84% das vezes ele consegue chegar perto das suas presas sem ser percebidos.

Ou seja, 79% de sua caça dão resultados, quando ele mira em alguém provavelmente ele não escapará.

O cavalo marinho ganha o título de caçador dos mares.

Ele não tem estômago, nem sistema digestivo e por isso precisa está se alimentando constantemente, ele como cerca de 30 a 50 vezes por dia.

Reprodução e Acasalamento

A sua reprodução é muito peculiar. Vamos começar dizendo que é o macho que engravida e são várias fases para chegar até a fecundação. Talvez seja um dos peixes mais românticos do mar.

O cavalo marinho masculino está equipado com uma bolsa no lado ventral ou virado para a frente da cauda. Ao acasalar, o cavalo-marinho fêmea deposita até 1.500 ovos na bolsa do macho. 

O macho carrega os ovos por 9 a 45 dias até os cavalos-marinhos emergirem totalmente desenvolvidos.

Os filhotes são então liberados na água, e o macho geralmente acasala-se novamente dentro de horas ou dias durante a estação reprodutiva.

Namoro entre Cavalos marinhos

Antes da criação, os cavalos-marinhos podem cortejar por vários dias. 

Os cientistas descobriram que eles namoram antes de acasalar.

O comportamento sincroniza os movimentos e os estados reprodutivos dos animais, para que o macho possa receber os ovos quando a fêmea estiver pronta para depositá-los.

Durante esse período, eles podem mudar de cor, nadar lado a lado segurando as caudas ou agarrar o mesmo fio de grama do mar com as caudas e girar em uníssono no que é conhecido como “dança antes do amanhecer”. 

Eles finalmente se envolvem em uma “verdadeira dança de namoro”, com duração de cerca de 8 horas, durante a qual o macho bombeia água através da bolsa de ovos em seu tronco, que se expande e se abre para mostrar seu vazio. 

Conheça o Baiacu, um dos animais mais venenosos do mundo

Quando os óvulos da fêmea atingem a maturidade, ela e seu companheiro soltam de qualquer âncora e sobem do focinho para focinho (um beijo?), saindo da grama do mar, muitas vezes em espiral à medida que crescem. 

Eles interagem por cerca de 6 minutos, remanescente do namoro. A fêmea então nada até a manhã seguinte. 

A fêmea insere o ovipositor na bolsa de criação do macho e deposita dezenas a milhares de ovos. Quando a fêmea libera seus ovos, seu corpo se afina enquanto incha o dele. Ambos os peixinhos se afundam na grama do mar e ela nada.

Fases do namoro

Os cavalos-marinhos exibem quatro fases de namoro indicadas por claras mudanças comportamentais e mudanças na intensidade do ato de namoro. 

A fase 1, a fase inicial do namoro, geralmente ocorre no início da manhã, um ou dois dias antes da cópula física. 

Durante esta fase, os potenciais acasalamentos brilham em cores, tremem e exibem rápidas vibrações laterais do corpo. Essas exibições são realizadas alternadamente pelo cavalo marinho masculino e feminino. 

As fases a seguir, de 2 a 4, ocorrem sequencialmente no dia da cópula. 

A fase 2 é marcada pelo apontador feminino, um comportamento no qual a fêmea levanta a cabeça para formar um ângulo oblíquo com o corpo. Na fase 3, os machos também iniciarão o mesmo comportamento de apontar em resposta à fêmea. 

Finalmente, o macho e a fêmea subirão repetidamente para cima juntos em uma coluna de água e terminarão em cópula no meio da água, na qual a fêmea transferirá seus ovos diretamente para a bolsa de criação do macho.

Fase 1: namoro inicial

Esse comportamento inicial de namoro ocorre cerca de 30 minutos após o amanhecer de cada dia do namoro, até o dia da cópula. 

Durante esta fase, machos e fêmeas permanecerão separados durante a noite, mas após o amanhecer, eles se reunirão em uma posição lado a lado, iluminarão e se envolverão em comportamento de namoro por cerca de 2 a 38 minutos

Há tremores recíprocos repetidos. Isso começa quando o macho se aproxima da fêmea, ilumina e começa a tremer. 

A fêmea seguirá o macho com sua própria exibição, na qual ela também brilhará e tremerá cerca de 5 segundos depois. À medida que o homem treme, ele gira o corpo em direção à fêmea, que depois o gira. 

Durante a fase 1, as caudas de ambos os cavalos-marinhos são posicionadas a menos de 1 cm uma da outra na mesma posição de espera rápida e os dois corpos estão inclinados levemente para fora do ponto de fixação. 

No entanto, a fêmea mudará o local de fixação da cauda, ​​fazendo com que o par circule seu aperto comum.

Fase 2: Apontar e bombear

Fase dois do acasalamento

Essa fase começa com a fêmea iniciando sua postura de apontar, inclinando seu corpo em direção ao homem, que simultaneamente se inclina e treme. 

Essa fase pode durar até 54 minutos. 

A fase 2 seguinte é um período de latência (normalmente entre 30 minutos e quatro horas), durante o qual os cavalos-marinhos não exibem comportamento de cortejo e as fêmeas não são brilhantes. Mas os machos geralmente exibem um movimento de bombeamento com o corpo. 

Fase 3: Apontar 

A terceira fase começa com as fêmeas iluminando e assumindo a posição de apontar. 

Os machos respondem com suas próprias luzes e indicadores. 

Hora de brilhar!

Essa fase termina com a saída do macho. Geralmente dura nove minutos e pode ocorrer uma a seis vezes durante o namoro. 

Fase 4: Levantamento e cópula

A fase final do namoro inclui de 5 a 8 episódios de namoro. 

Cada sessão de namoro começa com o macho e a fêmea ancorados na mesma planta com cerca de 3 cm de distância; geralmente eles estão frente a frente e ainda têm cores brilhantes da fase anterior. 

Durante a primeira parte, seguindo o comportamento de frente, os cavalos-marinhos subirão juntos de 2 a 13 cm em uma coluna de água. 

Durante a ascensão final, a fêmea insere o ovipositor e transfere os óvulos por uma abertura na bolsa da ninhada do macho.

Fertilização do Cavalo Marinho

Foi observada durante a fertilização do Hippocampus kuda, a bolsa da ninhada ficou aberta por apenas seis segundos enquanto ocorreu a deposição de ovos. 

Durante esse período, a água do mar entrou na bolsa, onde os espermatozóides e os ovos se encontram em um ambiente de água do mar. 

Esse ambiente hiperosmótico facilita a ativação e a motilidade dos espermatozóides. 

A fertilização é, portanto, considerada fisiologicamente ‘externa’ dentro de um ambiente fisicamente ‘interno’ após o fechamento da bolsa.

 Acredita-se que essa forma protegida de fertilização reduz a competição espermática entre os machos.

Nos Syngnathidae (peixes-pipas e cavalos-marinhos), a fertilização protegida não foi documentada nos peixes-pipa, mas a falta de diferenças distintas na relação do tamanho dos testículos com o tamanho do corpo sugere que os peixes-pipa também podem ter desenvolvido mecanismos para uma fertilização mais eficiente, com menor competição de espermatozóides. 

Gestação do cavalo marinho

Os ovos fertilizados são então incorporados na parede da bolsa e ficam cercados por um tecido esponjoso. 

O macho fornece os ovos com prolactina , o mesmo hormônio responsável pela produção de leite em mamíferos. 

A bolsa fornece oxigênio, bem como uma incubadora de ambiente controlado. 

Embora a gema de ovo contribua para o embrião em desenvolvimento, os cavalos marinhos machos contribuem com nutrientes adicionais, como lipídios ricos em energia e também cálcio, para permitir que eles construam seu sistema esquelético, secretando-os na bolsa da ninhada que é absorvida pelos embriões. 

Além disso, eles também oferecem proteção imunológica, osmorregulação, troca de gases e transporte de resíduos.

Os ovos eclodem na bolsa, onde a salinidade da água é regulada; isso prepara os recém-nascidos para a vida no mar. Durante a gestação, que na maioria das espécies requer duas a quatro semanas, sua companheira o visita diariamente para “cumprimentos da manhã”.

Nascimento

O número de jovens libertados pelo cavalo-marinho masculino é em média de 100 a 1000 para a maioria das espécies, mas pode ser tão baixo quanto 5 para as espécies menores ou tão alto quanto 2.500.

Quando os alevinos estão prontos para nascer, o macho os expulsa com contrações musculares. Ele normalmente dá à noite e está pronto para o próximo lote de ovos pela manhã, quando seu companheiro retornar. 

Como quase todas as outras espécies de peixes, os cavalos-marinhos não nutrem seus filhotes após o nascimento. 

Os bebês são suscetíveis a predadores ou correntes oceânicas que os afastam das áreas de alimentação ou a temperaturas muito extremas para seus corpos delicados. 

Menos de 0,5% das crianças sobrevivem até a idade adulta, explicando por que as ninhadas são tão grandes. Ou seja, a cada 1000 cavalos marinhos nascidos somente 5 sobrevivem.

Na verdade, essas taxas de sobrevivência são relativamente altas em comparação com outros peixes, por causa de sua gestação protegida, fazendo com que o processo valha o grande custo para o pai. 

Os ovos da maioria dos outros peixes são abandonados imediatamente após a fertilização.

Papéis reprodutivos

A reprodução é energeticamente dispendiosa para o homem. Isso questiona por que a inversão do papel sexual ocorre. 

Em um ambiente em que um parceiro incorre em mais custos de energia que o outro, o princípio de Bateman sugere que o colaborador menor assume o papel de agressor. 

Os cavalos-marinhos machos são mais agressivos e às vezes “lutam” pela atenção das mulheres. 

O estudo

De acordo com Amanda Vincent, do Projeto Seahorse, apenas machos lutam de rabo e balançam a cabeça um para o outro. 

Essa descoberta levou a um estudo mais aprofundado dos custos de energia. Para estimar a contribuição direta da fêmea, os pesquisadores analisaram quimicamente a energia armazenada em cada ovo. 

Para medir a carga sobre os homens, foi utilizado o consumo de oxigênio. No final da incubação, o macho consumia quase 33% mais oxigênio do que antes do acasalamento. 

O estudo concluiu que o gasto energético da fêmea durante a geração de ovos é o dobro do masculino durante a incubação, confirmando a hipótese padrão.

Por que o cavalo marinho masculino carrega a prole através da gestação é desconhecido, embora alguns pesquisadores acreditem que ela permita intervalos mais curtos de nascimento, resultando em mais prole. 

Dado um número ilimitado de parceiros prontos e dispostos, os machos têm o potencial de produzir 17% mais filhos do que as fêmeas em uma estação de reprodução. 

Além disso, as fêmeas têm “tempos limite” do ciclo reprodutivo 1,2 vezes maior que as dos machos. Isso parece basear-se na escolha do parceiro, e não na fisiologia. 

Quando os ovos da fêmea estiverem prontos, ela deve depositá-los em algumas horas ou ejetar na coluna de água. 

Fazer ovos é um custo enorme para ela fisicamente, uma vez que eles representam cerca de um terço do seu peso corporal.

Para se proteger contra a perda de uma embreagem, a fêmea exige um longo namoro. As saudações diárias ajudam a consolidar o vínculo entre o par.

Monogamia entre os cavalos marinhos

Embora os cavalos-marinhos não sejam conhecidos por acasalar por toda a vida, muitas espécies formam laços de pares que duram pelo menos durante a época de reprodução. Algumas espécies mostram um nível mais alto de fidelidade do companheiro do que outras. No entanto, muitas espécies trocam de parceiro quando a oportunidade surge. 

Foi demonstrado que H. abdominalis e H. breviceps se reproduzem em grupos, não mostrando preferência contínua pelo parceiro. 

Muitos hábitos de acasalamento de outras espécies não foram estudados, portanto, não se sabe quantas espécies são realmente monogâmicas ou quanto tempo esses vínculos realmente duram.

Embora a monogamia nos peixes não seja comum, ela parece existir para alguns. 

Nesse caso, a hipótese de guarda do companheiro pode ser uma explicação. 

Essa hipótese declara: 

“os homens permanecem com uma única mulher por causa de fatores ecológicos que tornam o cuidado dos pais e a proteção dos filhos especialmente vantajosos”. 

Como as taxas de sobrevivência dos cavalos-marinhos recém-nascidos são muito baixas, a incubação é essencial. 

Embora não provado, os machos poderiam ter assumido esse papel por causa do longo período que as fêmeas precisam para produzir seus ovos. 

Se os machos incubarem enquanto as fêmeas preparam a próxima embreagem (equivalente a um terço do peso corporal), eles podem reduzir o intervalo entre as embreagens.

Vamos à Pesca!

Bem, não vamos não. Esse é o tipo de peixe que você nunca deve alvejar pegar.

Todas as espécies de cavalo marinho estão ameaçadas.

Isso se deve a pesca predatória, é muito usado para medicina tradicional em países asiáticos. Cerca de 150 milhões de espécies são retirados do mar com essa finalidade, segundo o The sea horse trust.

Além de também quando ele cai nas redes acidentalmente e a destruição dos seus lares.

Por isso os Cavalos-marinhos ganharam Hotéis 5 estrelas para serem preservados.

Propriedades Nutricionais do Cavalo marinho

Não existe estudo sobre sua nutrição e provavelmente não haverá.

Apesar da falta de estudos científicos ou ensaios clínicos, o consumo de cavalos-marinhos é generalizado na medicina tradicional chinesa , principalmente em conexão com impotência , chiado no peito, enurese noturna e dor, além de indução do parto. 

 Os cavalos-marinhos também são consumidos por indonésios , filipinos centrais e muitos outros grupos étnicos.

A importação e exportação de cavalos-marinhos é controlada pela CITES desde 15 de maio de 2004. No entanto, Indonésia, Japão , Noruega e Coréia do Sul optaram por não participar das regras comerciais estabelecidas pela CITES.

O problema pode ser exacerbado pelo crescimento de comprimidos e cápsulas como o método preferido de ingestão de cavalos-marinhos. 

Os comprimidos são mais baratos e mais disponíveis do que as prescrições tradicionais e personalizadas de cavalos-marinhos inteiros, mas o conteúdo é mais difícil de rastrear. 

Os cavalos-marinhos tiveram que ter um certo tamanho e qualidade antes de serem aceitos pelos praticantes e consumidores de MTC . 

A diminuição da disponibilidade dos cavalos-marinhos grandes, pálidos e lisos preferidos foi compensada pela mudança para preparações pré-embaladas, o que torna possível para os comerciantes da MTC venderem animais juvenis, espinhosos e de cor escura anteriormente não utilizados ou indesejáveis. 

Hoje, quase um terço dos cavalos-marinhos vendidos na China são embalados, aumentando a pressão sobre as espécies. O cavalo-marinho seco é vendido de US $ 600 a US $ 3000 por quilograma, com animais maiores, mais pálidos e suaves, comandando os preços mais altos. Em termos de valor com base no peso, os cavalos-marinhos vendem mais do que o preço da prata e quase o preço do ouro na Ásia.

Cavalo Marinho na Culinária

Não é permitida a alimentação por causa dos motivos citados acima.

Então vamos respeitar a espécie para que possamos continuar com sua existência no futuro.

Curiosidades do Cavalo Marinho

  • Para subir e descer, os cavalos-marinhos ajustam o volume de ar em suas bexigas, que é uma bolsa de ar dentro de seus corpos.
  • Eles precisam ancorar em várias formas de coral ou grama para poder descansar.
    Quando há uma tempestade terrível, pode afetar o ambiente drasticamente. Muitos adultos morrem devido aos movimentos e seus corpos ficam cansados ​​demais para continuar.
  • Existem mais fêmeas que machos, por isso é a fêmea que corteja seu parceiro.
  • Os cavalos-marinhos quando são puxados por alguma correnteza costumam morrer de exaustão. Muitas vezes isso também acontece quando é pescado acidentalmente.
  • Aproximadamente 50% da população de cavalos-marinhos do mundo declinou de 1990 a 1995
  • Algumas pessoas tentam criar em aquários, mas a mudança de habitat pode o estressar tanto que ele acaba morrendo. Os filhotes têm mais chances de sobreviver pois não fizeram seu território.

Que peixe fascinante, não é mesmo? Ele é totalmente diferente de quase todos que estamos acostumados. 

Para mim, o mais impressionante é a sua reprodução belíssima. E você do que gostou mais de saber do cavalo marinho?

Deixe seu voto 😉
[Total: 2    Média: 5/5]
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Ei Vc, entre no Grupo do Telegram e veja as novidades da pescaAperte Aqui