Bijupirá

Um grande e belo peixe de água salgada, o Bijupirá é conhecido como o salmão ou bacalhau brasileiro tamanha a importância e nobreza de sua carne.

Bijupirás na água
Bijupirás

Este curioso costuma acompanhar barcos e mergulhadores no oceano.

É um dos peixes mais esportivos e lutador que se tem notícia.

Bijupirá seguindo barco
Curioso, costuma acompanhar os barcos

Origem Do Seu Nome

O nome Beijupirá vem do Tupi Guarani e significa “o peixe beiju”, ou seja, tão gostoso quanto o beiju(beiju é um doce feito com tapioca).

BIjupirá deitado na areia
O peixe beiju

Seu nome científico é Rachycentron canadum da família dos Rachycentridae da ordem dos Perciformes

Eles tem outros nomes populares como Bijupirá, Beijupirá, Cobia, Pirambijú, Tubarão de Escama, Cação de Escama.

Principais Características do Bijupirá

BIjupirá é peixe longo de escamas pequenas

De escamas muito pequenas, alongado e de corpo fusiforme(mais espesso no meio e vai afinando nas extremidades), sua cor é de um tom marrom escuro com duas faixas brancas ou prateadas ao longo de todo seu corpo.

A cabeça é achatada, olhos pequenos e boca projetada para frente.

Pode chegar a 2 metros de comprimento e pesar até 80 quilos!

bijupirá na água
O bijupirá pode chegar até 80 quilos

Onde o Encontramos

Para nossa sorte achamos ele em toda costa brasileira, do Amapá ao Rio Grande do Sul. É mais comum na região Nordeste.

Mas engana-se para quem acredita que só tem no Brasil, encontramos ele pelo mundo todo em águas tropicais e subtropicais.

Mapa da localização do Bijupirá
Mapa da localização do Bijupirá, por fishbase

Vemos ele no Atlântico Ocidental do Canadá até Bermudas e Massachusetts, dos EUA até a Argentina, incluindo o Golfo do México e o Caribe inteiro.

O Bijupirá não é exclusivo do Brasil

Também o encontramos no Atlântico Leste do Marrocos à África do Sul indo para Pacífico Oeste da África Oriental e Hokkaido, e do Japão para Austrália.

Enfim, tem Bijupirá para todos.

Descubra nesse artigo tudo sobre o Bagre e como ele foi importante para o mundo.

Hábitos do Bijupirá

3 bijupirás
O bijupirá vive sozinho ou em pequenos cardumes

Costuma viver solitário ou em pequenos cardumes, embaixo de alguma sobra flutuante ou detritos.

Também é comum encontrar os Bijupirás em barcos e navios naufragados.

Bijupirá em barco abandonado
Costumam habitar em navios naufragados

Eventualmente segue peixes maiores como tubarões, raias manta em busca de sobras de comida. 

Bijupirá em boca de tubarão
Um atrevido Bijupirá comendo as sobras de comida do tubarão

É muito curioso e não tem medo algum de barcos ou mergulhadores.

Não tem medos de mergulhadores

É classificado pelos pescadores experientes como muito lutador e esportivo.

Fica em mar aberto ou próximo à recifes e ilhas.

bijupirá em ilha
Podemos encontra-lo em ilhas

Sua Alimentação

Ele é  piscívoro, ou seja, se alimenta de  outros peixes.

Come outros peixe, crustáceos e lulas

Mas ele também come crustáceos e lulas, eles que apareçam na frente do Bijupirá para ver se sobra alguma coisa.

Reprodução e Acasalemtno

Se reproduzem entre a primavera e o verão, depois de atingir 1 ano e meio de vida.

Bijupirá juvenil
Bijupirá juvenil

Fazem a desova de uma só vez ou em parcelas ao longo da época de reprodução.

Se reproduzem entre a primavera e o verão

Milhões de ovos eclodem pouco mais de 24 horas depois de serem lançados às águas.

São milhões de ovos que eclodem em pouco tempo

Os ovos e as larvas do Bijupirá são planctônicos e flutuantes

Ou seja: quando acontece a desova e os ovos são fertilizados, eles se juntam ao plâncton, que é um conjunto de estruturas e seres marinhos que vivem à mercê da correnteza.

Plâncton são micro organismos e seres aquáticos que vivem em equilíbrio e proporcionam a nutrição de várias espécies das águas. É ali que os ovos de Bijupirá ficam até formarem um alevino

Quando a alimentação dentro do ovo acaba ou a larva fica maior, este rico ambiente de nutrientes e organismos em formação serão sua alimentação até que cresçam e se tornem alevinos.

Alevino de Bijupirá
Alevino de Bijupirá

Vamos à Pesca!

Para este lutador, é preciso usar equipamentos do tipo médio/pesado.

vara de pesca pesada
Equipamento do tipo médio/pesado

A vara deve ter uma resistência de 30 à 50 libras.

Lembre-se que pode achar exemplares grandes

A linha, multifilamento de 50 ou 65lbs senso que a carretilha ou molinete deve comportar mais de 200 metros de linha presa a um líder de fluorcarbono de 60 à 80 libras.

Linha multifilamento de até 65 lbs

O anzol, pode ser de até 7/0.

Escolha pescar na fase de lua cheia ou nova devido à maré mais propícia e perto de ilhas, recifes ou em praias, pois quando o Bijupirá se reproduz, ele se aproxima das praias.

calendário de oesca
Melhor fase de lua para a pesca do Bijupirá é a Lua Cheia ou Nova
Belo bijupirá pescado

As iscas naturais podem ser de sardinhas, sororocas, xereletes, cocorocas e caranguejos que devem ser colocadas na frente do peixe.

Isca de sardinha
Isca de sardinha

 

Isca de caranguejo
Isca de caranguejo

Já as iscas artificiais podem ser os jigs, shads ou jumping jigs, plugs de superfície e meia água.

Isca Jigs
Isca Jigs

O ideal é manter todo o controle em uma fricção média.

Uma boa dica é pescar embarcado e esperar que ele se canse antes de embarcá-lo.

Uma boa pesca

Propriedades Nutricionais do Bijupirá

Filé de bijupirá
Filé de bijupirá

Além de um sabor muito agradável, o filé do Bijupirá é firme e não possui espinhas.

Aliado a estas vantagens, é uma carne extremamente nutritiva e considerada magra, pois possui altos níveis de proteína e baixos níveis de gordura.

Bijupirá tem carne firme e sem espinhas

Em uma porção de 100 gramas de Bijupirá, podemos encontrar 130 gramas de Calorias, 4,51 gramas de Gordura, 0 Carboidrato e 20,98 gramas de Proteína.

É muito usado em pratos orientais, onde é servido cru.

Bijupirá na Culinária

Uma imensa variedade de pratos deliciosos pode ser preparado com este peixe.

Dá para fazer várias receitas com sua carne

Basta criatividade e disposição para apreciar uma carne deliciosa.

Podemos iniciar com esta receita de Bijupirá com Pimentões:

Bijupirá com Pimentões
Bijupirá com Pimentões

E que tal uma receita diferenciada e ao mesmo tempo simples como o Bijupirá na Crosta de Gergelim?

Bijupirá na Crosta de Gergilim

E não poderia faltar a tradicional Moqueca de Beijupirá:

Moqueca de Beijupirá

Curiosidades

Este é um peixe que exige mais do que curiosidades. Ele vem crescendo e muito na área de agronegócios: a aquacultura.

Fazendas marinhas estão gerando imensa renovação científica, tecnológica e social ao produzir Bijupirás para o comércio interno e externo.

Fazendas Marinhas vem inovando na criação e manejo do Bijupirá

A pioneira em maricultura com a criação de Bijupirás é a Maricultura Costa Verde, localizada em Angra dos Reis, RJ.

Maricultura Costa Verde, Ilha Grande,RJ

Hoje em dia, a Maricultura Costa Verde produz uma média de 11 toneladas de Bijupirás ao ano.

11 toneladas de Bijupirás ao ano

Para todo este volume de produção, a fazenda qualifica e emprega trabalhadores locais, ajuda em programas de formação de estudantes de graduação e pós graduação.

Criação de bijupirá

Bijupirá no Brasil

Hoje, é a maior produtora nacional e está entre as maiores do mundo na criação de Bijupirá.

A produção está entre a maiores do mundo

Este peixe muito parecido com o tubarão, tem uma produtividade quatro vezes maior que a do salmão.

Em um ano, chega a seis quilos e em dois anos pode chegar a 15 quilos.

Em 2 anos pode chegar a 15 quilos

O cultivo é feito em tanques-rede próximos à costa. A alimentação dos peixes é feita com rejeitos de outras pescas, principalmente a sardinha, que vem da pesca industrial.

tanques de rede
Os tanques rede aonde ficam os peixes

Assista aqui uma matéria feita no programa Globo Repórter nesta magnífica fazenda de maricultura. Aos 7:43 minutos, você vai se encantar com as imagens feitas com os Bijupirás.

Em Ubatuba também existem fazendas de criação de Bijupirás. 

Em Ubatuba também existe uma grande maricultura do Bijupirá

Aqui neste vídeo da Bijupirá Ilha Sul, os tratadores alimentam os peixes.

Na verdade existem outras fazendas de cultivo deste peixe e a tendência é aumentar ainda mais devido ao crescimento da demanda por este que pode ser a principal exportação de peixe do país daqui alguns anos.

Fazenda de bijupirá

Outras Curiosidades

  • O Bijupirá é um dos poucos peixes que viajam de avião para chegar em outras fazendas. São muitos cuidados necessários ao se transportar alevinos de São Paulo até o Rio Grande do Norte;

  • Em média, o retorno de investimento em criação e manejo de Bijupirás acontece em um ano;
  • Em 2012 foi pescado um exemplar de 35 quilos em Ubatuba;
Um exemplar pego em Ubatuba, com 35 quilos
Este aqui assustou as pessoas na Urca

Sem dúvida, este é um dos peixes mais fascinantes de água salgada. 

pequeno cardume de bijupirá

Seja pelo seu comportamento curioso, seja pela pesca esportiva emocionante ou ainda, por ser um agente de bons negócios e divulgação da importância da conservação da biodiversidade se seu ambiente.

Esta pescaria é quase que uma questão de honra para um bom pescador.

Vamos atrás dele?

Chegou a hora de juntar as tralhas e entrar de cabeça nesta aventura!

Deixe seu voto 😉
[Total: 0    Média: 0/5]
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •