Fóssil revela Tartaruga do tamanho de um CARRO!

Os restos fossilizados de uma gigantesca tartaruga do tamanho de um carro foram descobertos na América do Sul. 

Os cientistas concluíram que pertencia à maior espécie de tartaruga que já existiu – pesando mais de uma tonelada e vagando pelas águas da atual Colômbia há 10 milhões de anos. 

Dá para imaginar o tamanho da criança?

A Descoberta

Ilustração de como era a tartaruga

Nomeada Stupendemys geographicus e duas vezes maior que a maior tartaruga viva hoje em dia, pode até ter armado seu enorme casco em lutas até a morte com rivais. 

Naquela época, o continente era um “mundo perdido” de criaturas bizarras de grandes dimensões – incluindo enormes ratos e jacarés .

O Stupendemys foi desenterrado em um cemitério de animais conhecido como sítio arqueológico de La Venta, no deserto de Tatacoa, na Colômbia.

A besta descrita é baseada em uma análise de vários novos espécimes de conchas e uma mandíbula inferior – a primeira descoberta desse tipo no registro fóssil.

Paleontologista venezuelano Rodolfo Sanchez e um casco carapaça masculino da tartaruga gigante Stupendemys geographicus

Essa descoberta indica qual poderia ser a alimentação do animal. Aparentemente sua dieta era feita de frutas, sementes, vegetação e até pequenos animais.

 O autor principal, Professor Edwin Cadena, disse: 

“O animal agora extinto é a maior tartaruga terrestre de todos os tempos. Os restos mortais incluem a maior concha de tartaruga completa já identificada.”

Suas Características 

Detalhes da mandíbula encontrada e parte do crânio

A enorme carapaça tem quase 3 metros de comprimento e pode ter abrigado uma tartaruga de 1.145 quilos.

 É quase 100 vezes o tamanho de seu parente vivo mais próximo, a tartaruga do rio Amazonas Peltocephalus dumerilianus, e o dobro da maior tartaruga de hoje, o couro-marinho marinho Dermochelys coriacea. 

As descobertas, publicadas na revista Science Advances, expandem significativamente a gama conhecida de Stupendemys, que percorreu o norte da América do Sul durante o final do Mioceno. Eles também indicam que era a única espécie gigante no norte dos neotrópicos. 

Veja também: Espécie nova de peixe-elétrico é descoberta na Amazônia

Foi identificada pela primeira vez em 1976 a partir de restos descobertos na Venezuela.

Cadena, paleontologista da Universidade de Rosário, em Bogotá, disse que o conhecimento desses gigantes reptilianos parou devido à falta de espécimes completos. 

Para descobrir mais informações sobre a vida pré-histórica da tartaruga, sua equipe realizou análises anatômicas detalhadas em espécimes datados de expedições de 1994, bem como de descobertas mais recentes. 

Eles descobriram que os machos dessa espécie ostentavam conchas únicas semelhantes a chifres na frente de suas conchas superiores duras.

Seus Curiosos Chifres

Analise do casco da tartaruga, repare o chifre na figura B na região M2

Paleontologistas colombianos e venezuelanos trabalham juntos durante a escavação da tartaruga gigante Stupendemys geographicus (Reuters).

Cadena disse: “Esta é uma característica que pode ter servido para proteger seus crânios enormes quando em combate com outros machos”.

Os autores também sugerem que o Stupendemys pode ter atingido tamanho incomparável devido à presença de habitats quentes e extensos de áreas úmidas e lagos.

Paleontologistas trabalhando na região de Urumaco, na Venezuela

Cadena falou: ‘Crocodilos maciços também podem ter influenciado a evolução da tartaruga, com marcas de mordida em alguns espécimes – incluindo um dente de crocodilo solitário saindo de uma carapaça.

“Isso sugere que eles precisavam de proteção contra outros gigantes à espreita.”

Quando os Stupendemys habitavam a América do Sul, mamíferos carnívoros ainda não haviam chegado ao continente, já que o Istmo do Panamá ainda não estava formado e não havia conexão terrestre com a Antártica, ou seja, estava isolado, como uma ilha gigante. 

Os predadores do ápice eram crocodilos e jacarés gigantes, com até 15 metros de comprimento. Cadena acrescentou: ‘Marcas de mordida e ossos perfurados nos Stupendemys indicam interações com grandes jacarés que também habitam o ambiente pantanoso’. 

Alguns animais sul-americanos extintos da época atingiram proporções gigantescas devido a essas condições únicas durante o Mioceno Final, há cerca de 10 milhões de anos.

Curiosidades

  • As novas descobertas mostram que vivam em mais lugares do que se esperava. A tartaruga gigante viveu por toda América do Sul
  • A primeira vez que o Stupendemys foi identificado foi em 1976, na Venezuela, mas parou os estudos por falta de espécimes completos.
  • As fêmeas não tinham chifres nos cascos e eram menores que os machos.
  • Foi extinto há aproximadamente 5 milhões de anos, quando seu tamanho deixou de ser um fator de sucesso para viver naquele habitat.
  • Somente seu caso tinha quase 3 metros, o que tudo indica que seu comprimento total era de 4 metros.
  • Se fosse para comparar, a tartaruga teria o tamanho e o peso de um carro da Sedã.
  • A nova pesquisa forneceu aos cientistas uma melhor compreensão da posição da espécie na árvore genealógica das tartarugas.
    “Com base nos estudos da anatomia das tartarugas, sabemos agora que algumas tartarugas vivas da região amazônica são os parentes vivos mais próximos”, disse Sánchez.
Relações filogenéticas do Stupendemys Geographicus

Esse tipo de descoberta ajuda muito para podermos entender melhor a evolução das espécies e como vários aspectos influenciam nessas mudanças.

É incrível como mais descobrimos, temos várias respostas mas aparecem ainda mais perguntas. 

Quais novas descobertas estão escondidas? A vida é muito complexa e ainda temos muito pela frente.

Deixe seu voto 😉
[Total: 1    Média: 5/5]
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •