Esponja do mar com formato do E.T é descoberta

Os mares nos surpreendem cada vez mais, é um fato que ainda existem diversas descobertas para serem feitas nessa águas.

Sabia que os nosso mares são menos mapeado que o planeta Vênus? Pois é, meu caro. A verdade é que explorar os oceanos não é uma tarefa simples, são diversas barreiras que são quebradas cada vez mais com o avanço da humanidade.

Viram a semelhança na hora

Mas agora venho lhe trazer uma descoberta fascinante, divulgado pela NOAA, uma esponja que se assemelha bastante como os alienígenas que vemos nas mídias.

Ela realmente lembra a estrelha do filme E.T.: O Extraterrestre.

Realmente os mares não param de fazer surpresas para nós.

A descoberta

Chamada de Advhena magnifica, a espécie vive nas montanhas submarinas do Oceano Pacífico. 

Ela foi coletada em 2016 pela primeira vez pelo Okeanos Explorer nos estudos de montagens perto da fossa das Marianas, mas que a expedição teve tantas amostras que  foram para o Museu Smithsonian de História Natural, mas ficaram sem se estudadas até 2017, quando o Explorer filmou o que os biólogos marinhos chamado de “Floresta dos Estranhos”. Lá, entre outros organismos estranhos que inspiraram= o nome, os operadores do Explorador viram o que parecia ser uma esponja familiar com uma semelhança assustadora com ET.

A esponja momentos antes de ser colhida pelo Explorer

A Dra. Cristiana Castello Branco do Smithsonian descreveu os invertebrados. Seu trabalho agora foi publicado em PeerJ, incluindo o nome científico da nova esponja, latim para “alienígena magnífico”.

Em uma entrevista para o site NOAA, Branco observou que para os romanos, alien significava “visitante, estrangeiro ou imigrante“,

“É claro que nós, seres humanos, fomos os verdadeiros visitantes da casa do mar profundo da esponja.” completou ela.

A chave para a semelhança são os dois buracos que se parecem com os olhos gigantes do ET. 

Vivendo em profundidades onde a luz mal chega, as esponjas de vidro não têm visão, e falta um sistema nervoso central para processar a informação que os olhos fornecem de qualquer maneira. 

Em vez disso, estas são osculas, as aberturas através das quais a esponja expele a água depois de ter sido puxada através de buracos menores com partículas de alimentos removidos em uma rede de canais e câmeras. 

A impressão é reforçada pelo longo caule que dá a A. magnifica acesso a mais águas ricas em comida, mas se parece um pouco com o pescoço de ET.

A importância das esponjas para o mar

Sabemos pouco sobre o lugar de A. magnifica em seu ecossistema de profundidade, mas esponjas, como corais, fornecem habitats para outras espécies, fazendo os lugares onde eles cultivam pontos quentes biológicos. 

Além de A. magnifica, o artigo descreve duas novas espécies; Euplectella sanctipauli e Bolosoma perezi descobertos no Atlântico Sul. 

As esponjas são compostas de elementos minúsculos chamados sápulos, que parecem diferentes para cada gênero. Esta imagem do microscópio eletrônico de varredura fez Branco perceber que A. magnifica não era esponja de Bolosoma.

Esponjas de Bolosoma nunca foram relatadas no Oceano Atlântico. Além de não parecer ninguém famoso, este par é membro de gêneros existentes, ao contrário de A. magnifica, que é tão diferente de qualquer coisa anteriormente registrada Branco.

Veja também: Peixe com “pé” é visto a 1000m de profundidade

É possível que seja necessário criar um gênero próprio, o que mostra que pode ter muito o que se descobrir das esponjas do mar.

A maioria das esponjas vivem em profundidades de 450 a 900 metros, mas A. magnifica foi coletada 2.028 metros e E. sanctipauli em quase o dobro disso. Todas são conhecidas como esponjas de vidro porque seus esqueletos são feitos de sílica.

As esponjas não podem fugir do perigo, por isso lutam contra os inimigos usando a guerra química. 

As moléculas que produzem podem ser um tesouro na procura de novos medicamentos.

Fonte: IflScience

Deixe seu voto 😉
[Total: 0    Média: 0/5]
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Ei Vc, entre no Grupo do Telegram e veja as novidades da pescaAperte Aqui