Tilápia

Ela é um dos peixes mais conhecidos do Brasil, vamos conhecer mais sobre a tilápia, esse peixe lindíssimo que é o segundo mais consumido no mundo:

As Espécies da Tilápia

A Tilápia tem o nome científico de Tilapia rendali, Oreochromis niloticus. É da família Cichlidae e é natural da África, onde seu nome é Cacusso.

Quase todo o Brasuk conhece a tilápia

Ela já habita quase todo o Brasil. É um peixe de água doce e hoje é um dos principais criado em cativeiro. Tem mais de 100 espécies e a maioria é onívora(come de tudo). Pode chegar a 3Kg e medir até 50 cm.

Existem registros históricos já eram cultivados pelos egípcios 4.000 anos A.C. .

Tilápia no Brasil

Tilápia Rendalli

Veja abaixo uma breve linha do tempo resume a história da tilápia no Brasil:

  • 1952: É o ano do primeiro registro de introdução da tilápia no Brasil. De origem congolesa, ela foi adquirida por uma companhia de energia em São Paulo, mas não demostrou ser interessante criar.
Tilápia de Nilo ou Nilótica
  • 1971: O governo compra e coloca tilápias do Nilo e as de Zanzibar em reservatórios de água públicos na Região Nordeste, mas a produtividade ainda está longe de ser alta.
Tilápia Zanzibar
  • 1981: Desembarcam no Brasil as tilápias vermelhas, a Saint Peter de Israel, sua pele é resultado de uma mutação genética. O peixe tem dificuldade para se desenvolver por aqui mas chama a atenção do consumidor pela sua cor.
Tilápia Saint Peter
  • 1996: Chega no país uma linhagem de tilápia do Nilo que foram selecionadas do japão e depois melhorada na Tailândia. Com a tecnologia, esta e outras variedades obtêm sucesso em larga escala.
Tilápia Tailandês, conhecida também como chitralada
  • 2015: O país vive um salto de produção, chegando neste ano a mais de 219 mil toneladas do peixe, de acordo com cálculos do IBGE.

As Principiais Características da Tilápia

Esta pode atingir 45 cm de comprimento e até 2,5 Kg de peso.

É um peixe de escamas, tem o corpo levemente mais alto e é achatado.

Tem uma cor esverdeada e prateada, com algumas manchas no sentido vertical negras.

Sua nadadeira segue este tom verde oliva além de uma linha vermelha e branca passando pelo cinza escuro.

As espécies de Tilápia têm características muito semelhantes. Podemos apontar estas como as mais comuns entre elas:

Tilápia do Nilo
  • O seu Ciclo de vida é: Ovo, embrião, larva, alevino, juvenil e adulto;
  • Vivem em média 10 anos;
  • Os machos são maiores do que as fêmeas;
  • Na natureza sua alimentação é de plantas, algas, insetos, crustáceos, sementes, frutos e raízes. Quando criados em cativeiro alimentam-se de ração conforme o estágio de vida;
Alimentando Tilápias com ração
  • Têm de 6 a 8 desovas ao ano, com uma média de 800 à 2000 ovos;
  • A “colheita” ou despesca comercial é feita quando o peixe atinge de 500 a 800 g depois de pelo menos 6 meses de cultivo dependendo da espécie.
  • O mercado norte-americano realiza maciça importação de tilápias e, mesmo assim, não atende sua demanda.
A demanda do EUA não é atendida
Foto: CONtexto ganadero
  • Os meses frios (maio a julho) são desaconselháveis para a reprodução.
  • As tilápias estão hoje entre os peixes mais indicados para criações, sendo que está entre as espécies mais cultivadas no mundo.

Os Hábitos da Tilápia

As tilápias sabem aproveitar as oportunidades porque têm uma capacidade de se adaptar em ambientes muito diferentes, como rios, lagos, lagoas, represas, açudes e reservatórios.

Elas sobrevivem a vários tipos de territórios

Também conseguem suportar as variações de temperatura assim como águas com baixos níveis de oxigênio.

As tilápias que vivem em lagos grandes tem uma evolução mais lenta e um peso maior.

O seu desenvolvimento pode variar de acordo com o local

Sua alimentação varia de acordo com a espécie: podem ser onívoras(aquelas que comem de tudo), herbívoras(só comem vegetais) ou ainda fitoplanttógas(se alimentam de algas).

Sendo assim, podemos dizer que se alimenta de microcrustáceos, insetos, plânton, sementes, frutos, e pequenos peixes.

Reprodução da Tilápia

A Tilápia tem um alto índice de reprodução. Elas o fazem até 6 vezes ao ano.

Têm a capacidade reprodutiva já formada à partir dos 6 meses até os 12 meses onde atingem o ápice da reprodução.

A tilápia se reproduz até 6x no ano

Isso tudo pode variar de acordo com a espécie e os fatores ambientais.

Elas preparam seu ninho em uma área limpa na superfície, em águas mais rasas onde tem bastante oxigênio.

Suas desovas acontecem de maneira continuada, em partes e a temperatura da água ideal é de 24° C. Já para os alevinos de tilápia, a temperatura ideal seria entre 28° e 32°C .

O frio não é bom para criação

Na maioria das espécies o macho faz o ninho, enquanto a fêmea faz a oviposição, incubação dos ovos e desenvolvimento larvário até a fase de alevino na boca.

Tilápia macho e fêmea diferenças

As tilápias que habitam grandes lagos apresentam uma maturação sexual tardia e um maior peso corporal.

Uma das causas do alto índice de sobrevivência dos filhotes é que a tilápia carrega os ovos na boca até sua eclosão, onde nascem uma média de 800 até 1000 peixes.

Tilápia com ovas na boca

A Pesca da Tilápia

Algumas tilápias hibernam em tempos frios, por isso é bom percar em tempos quentes

A melhor época para se pescar esta espécie é na Primavera e Verão(Dezembro à Março) pois estas ficam mais ativas com a água mais quente e algumas espécies costumam hibernar no período do frio.

Os melhores locais para se pescar a Tilápia são represas e pesqueiros.

Represas são ótimos locais para a pesca da Tilápia

Se encontrar um local assim, com um barranco, onde a margem tem umas entradas de água de 2 a 3 metros, é muito provável que você tenha uma ótima pescaria de tilápias.

Local ideal para encontrar Tilápias

Águas calmas, sem corredeiras e com uma vegetação ou aguapés que podem até disfarçar a presença do pescador é o ideal.

A Tilápia é encontrada na maioria das águas brasileiras. Por ser muito conhecido e de fácil criação, muitos pesqueiros também contam com esta espécie maravilhosa

Pescando a Tilápia

Não é muito diferente pescar tilápia em uma represa ou num pesqueiro. O que muda mais são as técnicas usadas para isso.

Com a técnica certa dá para pescar muitas tilápias

As mais tradicionais são as técnicas que usam varas de fibra telescópicas que variam de 3.60 até 5 metros. As linhas são as de 0,30 a 0,40 mm , ou seja, são uma média de 1 a 2 metros maiores do que a vara.

Uma dica é usar barbantes de cor mais chamativa de 30 à 50 cm na ponta da vara pode até substituir as boias.

Podemos contar também com iscas naturais e artificiais além de outras ferramentas que tornarão esta aventura ainda melhor.

Pode ser pescada tanto com iscas naturais quanto artificiais 

Vale lembrar que estes peixes podem chegar a até 6 quilos. Por isso um equipamento resistente faz toda a diferença.

É comum a pesca simples, a com vara de bambu. Porém, corre-se o risco de na hora de pegar o bicho ela não aguentar o peso e se quebrar.

Uma vara básica de pesca já pode dar conta do recado, afinal ninguém quer perder uma beleza dessas.

Não corra o risco de perder um peixão desses, use uma vara boa

Equipamentos para sua pesca

As varas ideais para este tipo de pescaria são as Ultralights e Lights.

Vara Ultra Light

As varas Ultra Light resistem a linhas de até 6lbs (2,6Kgs) e iscas de até 6 gramas. É ideal para a pesca de peixes pequenos.

Já a vara Light, suporta linhas de 6 até 12lbs(2,6 a 5,3Kg) e iscas de 4 até 11 gramas. É ideal para a pesca de peixes maiores do que os peixes da vara anterior, a Ultra Light.

A vara Light é boa para pescar peixes médios, até 5,3kg

As Iscas

As Tilápias são atraídas tanto pelas iscas naturais quanto pelas artificiais.

As iscas naturais podem ser a minhoca, tenebrio, milho verde, capim, erva doce, o bichinho da laranja, tripa de galinha, etc.

Isca de tripas de Galinha
Iscas de minhoca

As larvas também são muito bem vindas para pescar as tilápias.

Larva que serve para isca

A tilápia come de tudo, até os diversos tipos de capim, ervas também atraem este peixe.

Até com capim pode ser pescar a tilápia

As Iscas Artificiais

As iscas artificiais mais usadas são as Plug de Meia Água, Spinner e Torpedo.

Plug de Meia
Água Spinner
Torpedos

 

Os Anzóis

Os anzóis de número 6, 8, 10 ou 12 são os ideais para que se possa pescar a tilápia com tranquilidade

A Técnica de Anteninha

Existe uma técnica para a pesca em pesqueiros denominada “Anteninha”.

Esta é a arte de enganar o peixe, pois coloca-se no anzol (pode ser o anzol um pouco maior) um material que flutua na água (EVA) e neste mesmo anzol, fixa-se uma miçanga que ao ficar submersa, parece uma ração.

Deste modo o peixe de pesqueiro é atraído.

EVA e miçangas que compõe a técnica da Anteninha

Uma vantagem desta técnica é que a anteninha é muito mais resistente ao vento e fica mais fácil perceber o mais leve toque do peixe na isca, pois as tilápias de pesqueiros são manhosas e sem a resistência da bóia, fica mais fácil do peixe puxar.

A montagem da ferramenta: com a vara já esticada, amarra-se o barbante ou até mesmo usa-se super cola na ponteira;

Depois no barbante amarra-se a linha de 1 a 2 metros maior do que a vara. Pode-se colocar o chumbo de correr se preferir, pois ele leva sua isca para a água.

Exemplo de Anteninha já montada

A quantidade de anzóis pode variar, mas o mais usado são 2 a uma distância de 30 centímetros mais ou menos de uma para o outro.

Esquema das Anteninhas na ponteira

A Tilápia na Culinária

A tilápia tem um número baixo de calorias, pouca gordura, rica em proteínas, minerais como o selênio e o fósforo, além de tudo, é muito saborosa.

Ideal para o cardápio de alimentação saudável e receitas mais fitness.

De carne branca e suave, a tilápia é muito versátil e é usada em vários tipos de pratos como estes a seguir:

Ceviche de Tilápia

Neste prato peruano o peixe é cozido no limão e acompanhado com temperos como a cebola roxa e o coentro.

Sashimi de Tilápia

Sashimi de Tilápia com molho Shoyo e limão

Assim como o salmão e robalo, a tilápia também é muito usada na culinária japonesa e já está presente como opção nestes rodízios.

Iscas e Filés de Tilápia

Filé de tilápia empanada

Estes ficam melhor empanados e servidos com molho que goste, fica uma delícia.

Moqueca de Tilápia

Uma moqueca muito bem temperada também é uma sensação na culinária. E no paladar!

Papillote de Tilápia

É simples e gostoso de fazer

Ao embrulhar os filés com azeite no papel alumínio, junto com legumes cozidos na manteiga e levar ao forno você faz um papillote delicioso!

Tilápia Grelhada

Esta é a sugestão de tilápia que não vai pesar na consciência e nem no peso!

É muito gostosa e preferência de muita gente.

Propriedades Nutricionais da Tilápia

Rico em nutrientes que nos deixam mais saudáveis, um filé de tilápia cru de maios ou menos 120 gramas, pode oferecer em média 23 gramas de proteína, 2 gramas de gorduras além de um ácido graxo importantíssimo conhecido , o ômega-3 e o ácido pantotênico.

A tilápia é aliada da saúde

Tudo isso soma-se a vantagem de não ter carboidratos e apenas 112 calorias.

Os Benefícios da Carne da Tilápia

  • Teor elevado de proteínas ajuda no ganho de massa muscular – muito importantes para a saúde de nosso corpo e a formação dos tecidos, as proteínas podem ser quebradas e reorganizadas para metabolizar qualquer tecido corporal que precise ser reconstruído como no caso de uma cicatrização,por exemplo.
  • Amiga do emagrecimento – Como é rico em proteínas e tem baixo índice de gordura, este peixe é muito indicado para quem quer perder peso.
A tilápia ajuda a perder peso
  • Estrutura óssea – O fósforo é um mineral imprescindível na manutenção da saúde de nossos ossos, dentes e unhas. Com o tempo sofremos o natural desgaste ósseo e consumir alimentos ricos em fósforo ajuda muito na prevenção de osteoporose e outras patologias similares.
  • A prevenção do câncer de próstata – Outro mineral muito encontrado neste peixe é o selênio e várias pesquisas apontam que a carência deste faz com que os homens possuam duas vezes mais chances de desenvolver o câncer de próstata.
  • A ajuda no sistema cardíaco – Como é rica em ômega – 3 , a tilápia é muito boa para reduzir o nível do colesterol “ruim” que pode desencadear a hipertensão arterial. Por ser rica em gordura boa,parte da gordura ruim pode ser retirada das paredes dos vasos sanguíneos ajudando a evitar um infarto ou um AVC, por exemplo. Além disso, o potássio também é um aliado no controle da pressão alta já que este possui ação vasodilatora.
A tilápia é boa para prevenir doenças
  • Auxílio para o cérebro – A melhora da memória e concentração atribuída ao ômega-3 pode ajudar na prevenção do Alzheimer e Parkinson. A oxigenação cerebral é estimulada através do potássio, o que ajuda na melhoria da saúde dos tecidos neurais.
  • O cuidado no envelhecimento precoce – o selênio também é um poderoso antioxidante(inibe a deterioração de uma substância ou processo); o que desencadeia uma maior demora no desgaste das células evitando assim que doenças graves possam se espalhar mais rápido comprometendo nossa saúde. A tilápia consegue oferecer cerca de 20% do selênio que precisamos diariamente.
  • Nosso organismo mais resistente – O consumo da tilápia também ajuda a fortalecer nossas funções de imunidade porque aumenta e fortalece as células de defesa. Isto faz com que o tratamento e a cura das patologias sejam mais rápidos. O selênio também ajuda no controle da tireóide, que é a responsável pelo funcionamento eficiente dos hormônios em nosso organismo;ou seja; o metabolismo e o funcionamento dos nossos órgãos são muito ajudados.

Curiosidades sobre a Tilápia

Se aproveita muita coisa da tilápia, até sua pele

Recentemente várias pesquisas dão conta de que a pele da tilápia pode ajudar no tratamento de queimaduras.

Enquanto o tratamento tradicional com pomadas e remédios é mais caro e demora mais, o uso desta pele além de tornar mais barato.

Pele de tilápia no auxilio de queimaduras

A pele pode ficar até 10 dias no ferimento evitando a dolorosa rotina de fazer curativo todos os dias no paciente.

Por ser rica em colágeno, ela tem mais resistência e um adequado de umidade ajudando na cicatrização.

Pele de tilápia na ajuda de queimaduras em animais silvestres, essa é de um filhote de um urso em um incêndio florestal na Califórnia em 2017

O interessante da tilápia é que ela ajuda na formação da pele, unhas, cabelos e outros tecidos do nosso corpo, tudo isso graças as suas proteínas com alto valor biológico.

Tilápias pode ser o futuro da medicina nas queimaduras

A tilápia possui algumas curiosidades interessantes, por exemplo:

De acordo com a Bíblia no livro de Mateus (17:27) o peixe que Pedro pescou, a pedido de Jesus, com a moeda na boca foi uma tilápia.

E que também o milagre de Jesus em que alimentou uma multidão de cinco mil pessoas a partir de cinco pães e dois peixes, em Mateus 14:15-21, também pode ter sido “duas tilápias” pois esta é a espécie mais encontrada no Mar da Galileia, em Israel.

Talvez Jesus tenha multiplicado tilápias

Agora, com todas estas informações, a sua pesca de tilápias fica ainda melhor! Junte seu equipamento e corra para desfrutar deste esporte com ainda mais empenho. Boa pescaria!

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Carpa

A carpa não é somente um belíssimo peixe, ela é e foi de extrema importância para muita gente.

A carpa muito mais que só beleza

Um dos peixes mais consumidos até o início da Revolução Industrial, a carpa se faz presente desde a antiguidade, pois era um dos alimentos mais rotineiros dos povos antigos, como os romanos, por exemplo.

Quando pensamos em Carpa, é comum a associação com aqueles peixes bonitos, coloridos, que enfeitam lagos e jardins principalmente os de tema oriental.

Porém existe a carpa “comum”, que é aquela muito apreciada tanto no esporte da pesca quanto na culinária, as fotos de cima e a de baixo são de carpas comuns.

Carpa comum

Vale a pena conhecer mais sobre este peixe rico em todos os aspectos.

Características

Representação de uma carpa

O nome Carpa originou-se do alemão Karpfen, através do latim carpa:carpaccio de carne.         

Veio dos rios e grandes lagos da Europa, Ásia e África,onde enfrentam o risco de extinção das espécies selvagens.

É muito propagada como peixe de criação aonde pode ser considerada como espécie invasora uma vez que veio de outra região e se instalou modificando o ecossistema e o meio ambiente ao seu favor em detrimento das espécies que antes ali estavam.

Pode ser considerada um peixe envasor

O seu nome científico é Cyprinus carpio e ela pertence a família: Cyprinidae

Ela possui uma boca relativamente pequena com uma espécie de bigode chamado barbilhão que é curto e funciona como se fosse uma antena a localizar algumas de suas presas.

Seus dentes não ficam a vista

Assim como outros peixes desta ordem, as carpas não possuem os dentes nos maxilares assim a vista; elas possuem os chamados “dentes faríngeos”, ou seja, o maxilar é mais adiante, na garganta e ali se instalam os dentes.

Vivem em rios e represas e é encontrada nas regiões sul e sudeste do Brasil.

Possui escamas em forma de círculos por todo seu corpo ou concentradas apenas em alguns pontos em certas espécies.

Aliás, estima-se que a carpa tenha hoje em dia mais de 3.000 espécies catalogadas enquanto que nos que diz respeito a Família, esta reúne mais de 20 famílias.

Dentre as muitas espécies de carpa comum, as mais conhecidas são a Carpa Capim, Carpa Húngara, Carpa Cabeça Grande ou Cabeçuda, Carpa Espelho entre outras.

Seu corpo é mais curvado no dorso e mais reto na região da barriga ou abdomem. Os machos se diferenciam das fêmeas pela grande nadedeira ventral(na barriga).

Hábitos da Carpa

Vive em lagoas, lagos e rios em todo o mundo.

Curiosamente também tem em alguns esgotos do japão.

Carpas no esgoto do japão

A carpa tem preferência por águas mais calmas e quentes, porém pode ser encontrada em quase todos os tipos de água doce. Prefere as águas pouco profundas e com vegetação local para alimentar-se.

Algumas carpas podem viver até os 60 anos de idade mas sua estimativa de vida fica em torno dos 30.

Alimentação da Carpa

Carpa se alimentando

A carpa comum come de tudo: pequenos vermes, animais, plantas e material orgânico. Como são predadores de larvas e ovos de peixes nativos, podem acabar comprometendo a fauna aquatica local.

Reprodução

Carpas em ação reprodutiva

As carpas se reproduzem uma única vez ao ano, entre o período do fim do inverno e o começo da primavera.

Fêmea desovando em um aquário

Os ovos da fêmea variam de tamanho de acordo com sua idade: quanto maior a idade, maiores os ovos.

Os ovos são mais pesados e têm uma espécie de substância adesiva, o que faz com que fiquem “colados” à vegetação(raízes do aguapé ou ramos de cedrinho por exemplo)

Objetos submersos o que evita que os filhotes morram por falta de oxigênio ou sejam devorados por outras carpas e predadores.

As ovas da carpa contém uma substância adesiva que as fazem aderir a plantas e objetos dentro da água.

Uma fêmea de 1 quilo pode produzir uma média de 100.000 ovos. Fêmeas maiores podem chegar a 300.000 ovos.

Já os machos atingem a maturidade sexual no primeiro ano, quando já pesam em torno de 600 gramas.

A desova acontece nas regiões mais quentes, lá para o mês de Agosto. Nas regiões mais frias, isto acontece depois que as águas atingem uns 20°C, ou seja, geralmente na segunda quinzena de Setembro até Outubro.

Alevinos de carpa capim

Quando acontecem variações súbitas de temperatura, pode acontecer de a fêmea passar por duas desovas, mas neste caso a produção de ovos é pequena.

As Leis Ambientais

A carpa também integra o grupo dos peixes que tem a Piracema como método de reprodução. Elas nadam contra a corrente para procriar.

O período onde a pesca é proibida é entre novembro e abril, podendo variar um pouco de acordo com a região em que se está pescando.

Você pode conferir a tabela do IBAMA com estas informações clicando aqui.

Respeitar as leis ambientais garantem a procriação das espécies e evita muita dor de cabeça

Para mais informações sobre as leis ambientais para pesca no país, dê uma olhada neste site.

Vamos à Pesca

Quer ter uma idéia de como é fisgar este belíssimo animal?

Vamos à um aperitivo desta pescaria antes de dar as melhores dicas para sua aventura.

Ver esse monte de carpa instiga ainda mais, não?

Equipamentos

Sempre ao escolher os equipamentos de pesca, devemos ter uma noção do peso que pode alcançar o animal a ser fisgado.

Como a carpa pode ultrapassar os 30 quilos, um equipamento de ação média dá conta do recado.

Vara ideal para pescar carpa

Seja de fibra de vidro ou de fibra de carbono, uma vara de 2,15~3,60 metros é flexível o bastante para as carpas maiores.

Pode-se pescar tanto no fundo quanto com a bóia.

Caso você prefira carpas menores, uma vara de grafite com capacidade 1,5 quilos é o suficiente. Lembre-se que vara de grafite é mais suscetível a rompimento ou quebra. Por isso, esta deve ser usada só em pesca de peixes menores.

Linhas, Molinete e Anzóis

Equipamentos parar pescar a carpa

A linha deve ter de 8 a 17 Lbs, carretilha ou molinete com capacidade para 70 metros de linha com 0,40mm de espessura e anzóis do tipo maruseigo de tamanho 1/0 a 3/0.

As linhas devem ser de monofilamento ou multifilamento resistentes.

Linha Monofilamento

A linha monofilamento tem a vantagem de oferecer nós mais confiáveis, o que pode fazer a diferença em alguns tipos de pesca.

Linha Multifilamento

A monofilamento de naylon tem um índice de flutuabilidade quase zero e pode ser esticada e ainda absorver o tranco de peixes maiores.

Iscas Naturais

Iscas Naturais Pesca de Carpa

Como a carpa tem uma dieta variada, podemos contar com muitos tipos de massa para carpas de acordo com a espécie.

As iscas mais usadas são: milho doce, azeitona, amendoim, salsicha, minhoca, broa de milho, trigo, feijão frade, queijo, milho, pão, fiambre, batata, etc.

Carpa fisgada com isca de milho

O milho doce em lata é a melhor dica para quem deseja fisgar uma carpa. Além do açúcar, outros ingredientes como os sais e aminoácidos atraem a carpa.

Vale ressaltar que as carpas são atraídas também pelas cores fortes.

Ração, junça, grão-de-bico, cânhamo e larvas também são bem aceitas pelo peixe.

Pulo do gato!

Para atrair as carpas , faça uma ceva com pão, massa ou pipoca.

Iscas Artificiais

As carpas também são atraídas por iscas artificiais. As mais coloridas, que fazem som de inseto, por exemplo, podem nos proporcionar em uma bela pescaria.

Iscas Artificiais

Os Locais

Como já dissemos, a carpa costuma ficar em rios, açudes, lagoas, etc. E também vimos que ela come a vegetação do ambiente. Sendo assim, procure um local com plantas ou vegetação na superfície, daquelas que ficam boiando ou raízes de árvores, vegetação costeira.

Um local ideal para a pesca de carpa

Estes são os lugares aonde a presença das carpas é quase certa tanto porque a vegetação traz mais oxigênio apara a água quanto por ser ambiente natural onde a carpa costuma desovar.

Curiosidades Sobre a Carpa

  • A carpa se é altamente adaptável. Elas conseguem adaptar-se até ao tamanho do ambiente aonde vivem. Se vivem em um aquário ou espelho d’água por exemplo, elas terão um tamanho menor, se estiverem soltas em grandes ambientes, crescem de acordo.
A carpa cresce de acordo com o tamanho do ambiente em que vive
  • Os peixes que vivem em águas mais puras tendem a ser mais saborosos e desenvolvem cores diferentes.
  • Não existe uma carpa igual à outra. Sua cor, pigmentação e tonalidade da pele é como nossa impressão digital: são únicas.
As carpas são únicas
  • Quanto melhor tratada e com mais cuidados com a água e sua alimentação, mais tempo ela vive. A média de vida é de 5 a 10 anos, mas existem relatos de carpas que passaram dos 50 anos.
  • No Japão, sua terra natal, as carpas tem um forte simbolismo. Representam coragem e esperança.
  • Elas podem ser ensinadas. Se treinadas, elas chegam a comer na mão da gente.

  • Uma das lendas mais conhecidas sobre a carpa é a de que esta quando consegue subir o rio, se transforma em um dragão.
  • A tatuagem de carpa traz significados particulares de acordo com as cores e tonalidades. Geralmente o vermelho e o laranja são as cores predominantes e representam prosperidade e alegria.
Desenho de carpa para tatuagem

Valor Nutricional da Carpa

Uma porção de 170 gramas de carpa oferece cerca de 275 calorias, 12,2 g de gordura, 0,0 carboidrato e 38,9 g de proteína.

A Carpa Na Culinária

Muito apreciada à mesa, a carpa é bem versátil em seu preparo. A receita mais usada porém, é a de carpa assada no forno, na brasa, na grelha, na churrasqueira ou até mesmo recheada.

Carpa na Grelha

Esta carpa na grelha é uma opção fácil e deliciosa!

O que dizer de uma bela carpa recheada como essa na mesa?!

Carpa Recheada

Em se tratando de carpa, o que manda na hora de seu preparo é sua criatividade! Já ouviu falar da Carpa Pizza Aberta?

Carpa Pizza Aberta

As Nishikigois (Carpas Coloridas)

Nishikigois (Carpas Coloridas )

Além das carpas comuns as carpas coloridas são muito famosas pela sua beleza e peculiaridades.

Ao longo do tempo, com a variação genética espontânea, várias cores, tons e tipos de manchas coloridas predominam na carpa colorida, ornamental ou estampada.

Estas variações genéticas deram origem a três tipos híbridos: o Higoi que é a carpa vermelha, o Asagui que é a azul e vermelha e por último, a Bekko que é a branca e preta.

As muitas espécies tem participação em muitas exposições aonde as regras estipulam oito divisões de tamanho para os jurados avaliarem. Na divisão um, estão os Kois de até 18 cm, até a divisão oito, eles são maiores do que 75 cm.

Uma linda Showa Sanshoku

No Brasil existe uma Associação Brasileira de Nishikigoi(ABN) desde o ano de 1978 que reúne criadores, expositores e aquariofilistas em várias exposições distribuídas por diversas regiões de nosso país.

A carpa é, sem dúvida, um dos peixes mais encantadores e fascinantes que conhecemos. Digno de apreciação e também ideal para a pesca.

Depois destas informações, não dá vontade de pescar ou ir em algum aquário só para aprecia-las?

Quem disse que só que podemos pesca-las?

Tambaqui

O Tambaqui é um peixe espetacular, considerado por muitos um dos peixes mais belos dos rios como pode ver na foto abaixo

É peixe muito bonito para se criar

  O Tambaqui, também conhecido como Pacu Vermelho, é o segundo maior peixe de escama do Brasil.

Chega a medir 90 cm e pode pesar até 30 quilos! E tudo isso somado à fama de “peixe brigador” nos desperta a curiosidade sobre este gigante das aguas doces brasileiras.

Características

  O nome desse peixe vem do Tupi tamba’ki – que significa “monte de conchas/moluscos”

O tambaqui é da família dos Characidae

Seu nome científico é Colossoma macropomum e ele pertence a família dos Characidae, de peixes com o corpo lateralmente achatado e maxilar inferior proeminente

  Corpo em formato de losângo, parcialmente triangular.

Tem a cor castanho na metade de cima e preta na parte de baixo. Porém pode apresentar cores mais claras de acordo com a água em que vive.

Sua boca tem o maxilar projetado para frente(prognata), pequena e forte com dentes arredondados com a borda irregular.

Sua mandíbula é muito forte, é capaz de quebrar cascas de castanhas dos quais se alimenta.

Ele chega a atingir 90 cm e pesar até 30 quilos.

  São peixes migratórios, mais encontrados na Bacia Amazônica, mas habitam também outros locais da região Norte, além dos estados do Mato Grosso, Goiás, São Paulo, Minas Gerais e Paraná.

Hábitos do Tambaqui

Tambaqui em um aquário

 A espécie é natural da bacia amazônica, o tambaqui costuma ficar em meio a matas inundadas.

É mais ativo quando o clima está quente. No inverno fica mais lento, mas não deixa de buscar comida, porém nas águas mais fundas.

Alimentação do Tambaqui

Tambaqui como quase tudo que cair na água

 Este grande amigo não costuma recusar muita coisa não.

Alimenta-se de  sementes de castanheiras e palmeiras além de plâncton, frutas, insetos aquáticos, caracóis, sementes e grãos de diversos cereais, pequenos peixes, folhas e brotos de plantas aquáticas.

Em pesqueiros as massas com aromas de queijo ou carne assim como as lesmas são logo devoradas. Além desta variedade toda, ele ainda adora comer salsicha.

Seus dentes lembram os dos humanos

Os dentes do tambaqui são chamado de Moliformes por se assemelharem muito com nossos dentes molares.

Porém suas extremidades são mais pontiagudas.

  Veja neste vídeo como o Tambaqui quebra castanhas para se alimentar.

Reprodução

  O tambaqui é uma das espécies que fazem a migração reprodutiva ou Piracema.

Na época da desova eles não se alimentam, por isso que anteriormente eles acumulam gordura que vai mantê-los durante a época da reprodução.

Tambaqui macho e fêmea

  Ele atinge a sua maturidade sexual quando completa 3 até 4 anos de idade.

A época de sua reprodução acontece entre outubro e março , geralmente.

Sua reprodução é assexuada, ou seja, não existe o acasalamento para a fecundação.

Os gametas machos se juntam com os óvulos da fêmea(ovas) lançados na água. Sendo assim, só uma pequena quantidade de sua cria vinga.

Filhotes de Tambaqui

As Leis Ambientais

  Como qualquer peixe no território brasileiro, o tambaqui também é protegido no seu período de defeso, quando é proibida a sua pesca para tornar possível preservar a espécie.

  Este período é entre Novembro e Março. Nesta época de águas mais quentes, ocorre a reprodução.

  Você pode verificar o tamanho mínimo permitido para pesca através desta régua clicando aqui.

O tamanho mínimo para poder pescar o tambaqui é de 55 cm

Vale sempre a pena respeitar o período de reprodução para garantir que este maravilhoso peixe não seja extinto.

Garanta o tambaqui de amanhã, não pegue ele na época de reprodução

Vamos à Pesca

Este faz jus a fama. É valente e gosta de uma boa briga! Por isso é preciso usar as técnicas e habilidades necessárias para este enfrentamento. Força no braço também, afinal, as arrancadas que o tambaqui dá não são brincadeira!

Fisgando um tambaqui
É um exercício e tanto!

A Vara Adequada

Essa seria uma vara boa para pescar Tambaqui

  As varas para este tipo de pescaria devem ser reforçadas e fortes porque a fisgada do tambaqui é voraz. O comprimento deve ser de 7’’ a 8’’. Sua resistência deve ser em torno de 40 a 50 libras.

As Linhas

Linhas de multifilamento

  Devemos contar com linhas resistentes. São recomendadas as de multifilamentos.

As de multifilamento com resistência de 35 até 40 libras e espessura de 0,40 e 0,50 mm são as ideais. Isto porque devemos lembrar que este peixe é pesado.

Não vamos perder o bicho por causa de uma linha que arrebenta, não é mesmo?

É preciso ter a mão no mínimo 100 metros de linha 0,40mm ou 0,50mm para garantir um bom desempenho.

As Iscas Naturais

Iscas de figado de frango

  Apesar de ser um peixe que come quase de tudo, ele pode ser ao mesmo tempo bem seletivo na hora de pegar a isca.

Uma boa qualidade dos alimentos como fígado de frango, salsicha, massas mafish são mais atraentes para o tambaqui.

Massa mafish
Isca de salsicha

Iscas Artificiais

     As iscas artificiais também ajudam na hora atiçar e atrair o tambaqui:

A isca artificial também é bem útil

Os Anzóis

Anzol Maruseigo

  Os mais recomendados são os modelos Maruseigo e Octopus. As miçangas também podem ajudar a atrair o animal.

Isca Octopus

A Estratégia

  É preciso silêncio e paciência. Por se assustar facilmente, o tambaqui costuma ser desafio na hora de ser fisgado.

Escolha o local mais adequado e mantenha a calma e o silêncio.

Tem que ter cautela para pescar o tambaqui

 

  Lembre-se que é do hábito do tambaqui pegar sementes que caem e boiam na água, então simular um som parecido com isso ajuda na captura.

Tambaquis sendo alimentados

Curiosidades

  Não se sabe se é história de pescador, mas contam os ribeirinhos que um pescador da cidade de Maraã, Manaus, pescou um tambaqui de 44 quilos no Ati Paraná, um afluente do Rio Solimões que vai desaguar no Rio Japurá.

O peixe media 1,14 metros e chegou a ser catalogado como o maior do mundo.    

Foi no Brasil que saiu o maior Tambaqui do mundo

Este teria sido doado ao INPA ( Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia) onde foi estudado e mantido em formol para visitação pública.

  Antigamente era comum pescar tambaquis com até 45 quilos e 110 cm de comprimento total. Porém devido a sobre-pesca já não é mais possível esta artimanha.

  É considerado um peixe remosso ou seja, rico em gordura e óleo.

Mesmo com gordura e óleo ele é ótimo para refeições

  Algumas pessoas confundem remosso com reimosso. Este último é um termo aplicado aos maiores peixes que ocupam o topo da cadeia alimentar, o que não é o caso do Tambaqui.

  Quando pequeno também é chamado de roelo.

Valor Nutricional do Tambaqui

  Dentre as espécies mais conhecidas na região da Amazônia, o Tambaqui é o que tem a maior quantidade de proteínas. Todos os peixes são ricos em nutrientes, mas o mais gordurosos ou oleosos, têm mais Vitamina A e D.

São ricos em gordura e óleo

 Em 100 gramas de tambaqui tem cerca de 105 kcal, 0 carboidrato, 2,75 gramas de gordura; sendo que de gordura saturada tem 0,926g , gordura monoinsaturada tem 0,718g, gordura poliinsaturada 0,451g(as gorduras insaturadas são as chamadas “gordura do bem”, pois fazem bem ao organismo); esta quantia de carne ainda oferece 66 mg de colesterol, 79 mg de sódio e 423 mg de potássio.

O tambaqui tem um alto valor nutricional

  Em suma, 100 gramas de Tambaqui oferece cerca de 25% de gordura, 0% de carboidratos e 75% de proteínas.

O Tambaqui na Culinária

  Muito apreciado na região amazônica, o tambaqui é muito versátil na hora de seu preparo.

Seja em moquecas ou assado na brasa com uma gostosa farinha e pimenta com tucupi; o prato servido com este peixe é sucesso garantido!

  Veja algumas receitas que vão lhe deixar salivando de vontade de experimentar estas delícias:

Com esta caldeirada não tem como não fazer sucesso!

   Caldeirada de Tambaqui

Este aqui assado e ainda por cima recheado, é uma ótima pedida!

Tambaqui Assado e Recheado

Uma costelinha assim…dá vontade de correr para soborear!

Costela de Tambaqui

     E então? Pronto para esta grande aventura?!

Pois deu para perceber que ele dá um trabalho para puxar, mas imagina a beleza de puxar um bicho desses para os seus pés?

Só de falar já vontade de ir para o barco e ir atrás de um, quem sabe o próximo recorde de maior Tambaqui não seja meu?

Lambari

O Lambari é um peixe sensacional, não só por proporciona uma fritada deliciosa, mas também por ser uma ótima isca viva.

O Lambari é um peixe muito bom para usar como isca viva

O Lambari é um peixe pequeno, de 10 ate 15 cm. É prateado e as nadadeiras variam de cor entre amarela, vermelha e preta.

Esse peixe tem o corpo alongado e meio comprimido e é facilmente reconhecido pelas manchas no corpo: uma próxima a nadadeira peitoral e a outra próxima da cauda.

Existem mais de 400 espécies denominadas lambari, algumas nem foram catalogadas ainda.

 

Esse é o tamanho médio do Lambari. Observe as duas manchas perto da cabeça e da cauda

Todas da família Astyanax, que ganhou esse nome em homenagem a Astíanx, herói da mitologia grega.

É um peixe abundante nos rios, lagos e lagoas das Américas: do rio Grande no México à Patagônia.

Localização do Lambari

O lambari é encontrado em todo o território nacional, e pode ser encontrado em cardumes em todas regiões do Brasil.

Esse peixe é encontrado inclusive em represas e lagoas construídas pelo homem.

Pode não parecer mas o lambari é considerado predador

Gosta de se alimentar a flor d’água e desova no começo da estação de chuvas.

Apesar do pequeno porte, é considerado o predador das águas, se alimentando muitas vezes de larvas de outros peixes.

O Lambari é encontrado em todas as profundidades, sendo que os maiores mais raramente vêm à superfície, além de também ficarem mais distantes da margem.

Hábitos do Lambari

O Lambari necessita de muito oxigênio para sobreviver, por isso a população dele diminui consideravelmente em águas pouco oxigenadas, como no caso de poluição.

A quantidade de Lambaris é um bom indicador da limpeza da água.

Cardume de lambaris

Reprodução do Lambari

Em 4 meses, o Lambari adquire a capacidade de se reproduzir. O peixe é ovíparo, ou seja, se reproduz através de ovos.

A fêmea põe ovos em poças d’água na margem dos rios. E podem por ovos mais de uma vez por ano. O macho fertiliza os ovos fora do corpo da fêmea.

Por volta de 30 a 60 dias, surgem os alevinos, o primeiro estágio de vida do peixe, até o desenvolvimento em 4 meses e o ciclo recomeça.

Alevinos de Lambari

Pesca de Lambari

Como o Lambari gosta de se alimentar a flor d’água, é facilmente visível.

Como é um peixe presente em vários rios, lagos, lagoas e represas, geralmente é o primeiro peixe que o brasileiro pega quando se inicia no esporte.

É presente em abundância nos rios, lagos e lagoas brasileiros e por isso, vários pescadores desenvolveram métodos diferentes de pescaria: um dos métodos mais usados é de isca de miçanga de cor amarela.

Isca de miçanga, ideal para a pesca de lambari

O que não deixa de fora vários métodos com iscas naturais: iscas de macarrão, queijo, farinha de trigo, etc.

Outra isca super utilizada é o sagu: cozinhado e lavado em casa e , principalmente, colorido em casa com corante amarelo gema. Alguns garantem ser a melhor isca para Lambari.

E como é um peixe pequeno e abundante, equipamento para pescar Lambari com frequência é muito simples: caniço de mão e anzol bem pequeno com isca também pequena. Ótimo para crianças!

O lambari é fácil de pescar e a criançada adora

Uma coisa legal é que durante a pesca do lambari você pode acabar pegando outros peixes pequenos por causa da isca.

O Lambari é fonte de alimentação de diversos outros peixes, então usar ele como isca viva é uma opção.

Uma dica para quem quiser pegar grandes quantidades desse peixe é usando a armadilha de garrafa PET.

Dá para pegar muito com a garrafa

Basicamente é só colocar a isca dentro da garrafa e fazer um ou dois furos: atenção ao tamanho dos furos, os orifícios não podem permitir a saída do peixe.

Ai é só colocar a garrafa em uma região de muito Lambari e aguardar.

E cabe atenção no local de pesca de Lambari: Ele foge do barulho, então é melhor evitar áreas de banhistas.

Em áreas com árvores cuidado para não enrolar a linha. É sempre bom observar áreas limpas com árvores podadas como sinal de que outros pescadores escolheram aquele local.

Lambaria ainda no anzol

Lambari Como Isca Viva

Um bom negócio que está florescendo é a criação de Lambari para a venda posterior como isca viva.

Na região do Noroeste paulista, é vendida cerca de 140 milhões de piabas por ano.

No estado de São Paulo são cerca de 105 lambaricultores por ano. O custo inicial de investir em uma criação do peixe é de R$ 300 mil.

Criação de Lambari em caixa d’água

O Lambari tem fácil reprodução e serve como isca viva para tucunaré, corvina, salmão, truta, traíra dentro outros diversos peixes.

Por isso a demanda para a isca de Lambari é bem alta, sendo ele a isca mais procurada na pesca esportiva.

O peixinho é uma ótima isca viva

E pelo tamanho do lambari não é necessário um tanque de grande porte.

O que faz a criação de lambari ser um negocio muito promissor.

Lambari no Combate a Dengue

Na região nordeste do Brasil o peixe é muito usado no combate a doença da dengue e outras doenças provocadas por mosquitos.

O lambari é muito utilizado em cisternas

O motivo é simples, ele ajuda na preservação da água pois lambari também se alimente de larvas e pequenos insetos.

Por isso é muito comum em algumas regiões do nordeste a criação de lambari nas cisternas.

Esta é uma forma eficiente e barata de manter a água livre de larvas mantendo controlado os mosquitos e evitando a dengue e outras doenças.

Lambari na culinária

Como é um peixe de pequeno porte, a piaba vai muito bem como tira gosto.

Lambari é usado em bares como petisco

Temperado com vinagre, orégano, sal fica uma delícia. Mas o tempero da fritura varia de acordo com o local do Brasil.

Você pode até inventar a sua! E é só acompanhar de bebidas e está pronto o seu tira-gosto!

Lambari sequinho para comer como acompanhamento

E sendo um peixe pequeno, é bom saber um truques para limpar o lambari antes de preparar essa delícia fritinha e crocante:

  1. Para descamar o peixe coloque algumas pedrinhas no samburá e balance. É bem mais prático do que com uma faca.
  2. Para abrir o lambari use uma tesourinha de ponta fina, nada de faca.
  3. Na hora de limpar deixe o máximo de gordura. A gordura é que dá gosto ao prato.
Prato de Lambari frito

Curiosidades sobre o Lambari

  • O Lambari tem o corpo prateado, mas as nadadeiras variam entre vermelho, amarelo e preto;
  • Como um peixe de pequeno porte que vem a flor d’água para se alimentar, a pesca é super divertida e ideal para iniciar crianças e jovens no esporte;
  • O nome Lambari vem do grego e significa aquele que tem longa barba.
  • Uma espécie de Lambari , o Lambari Rosa, tem sido bastante procurada pelo mercado de iscas vivas, pois é um peixe que chama a atenção na água.
Lambari rosa
  • O Lambari também é conhecido como Sardinha de água doce;
  • Em algumas regiões do país, esse peixe também é conhecido como Piaba;
  • A maior espécie de Lambari, conhecida como Lambari guaçu, pode chegar a 18 cm;
  • O fenômeno chamado piracema, em que o peixe sobe o rio para desovar, não ocorre com o Lambari;
  • Esse peixinho é conhecido pela sua rapidez, exigindo do pescador muita atenção durante a pesca;
O lambari é bastante ágil, por isso tem que pescar com cuidado
  • O comércio de Lambari para isca viva é muito lucrativo. Para a venda, eles são criados em cativeiro;
  • Uma nova espécie de Lambari foi descoberta em 2017: os machos são de cor avermelhada e as fêmeas são de cor amarelada. A espécie foi batizada de Hyphessobrycon myrmex;
  • O menor entre as espécies de Lambari é o Lambari-piquira que pode ter apenas 4 cm.
A nova espécie de Lambari Hyphessobrycon myrmex

Então pode preparar suas iscas pois deu para ver que é bem simples pescar o Lambari.

Pode ir tranquilo porque sei que vai gostar bastante, ainda mais quando você pegar vários de uma vez, depois vem e fala aqui como foi 😉

 

Traíra

A traíra é de longe um dos peixes mais conhecidos no Brasil, por ser fácil de encontrar além de ser uma delícia quando frita.

Traíra e seus dentes super afiados

Outros de seus nomes são Lobó ou Tararica, varia da região do país.

Elá é magnifica e ficar olhando para os seus dentes afiados dá até medo como nessa foto.

Esse peixe é de águas doces e é carnívoro, por isso tem esses dentes.

Neste artigo vamos ver algumas características e curiosidades da Traíra, o peixe que deixou marcas em muita gente.

Origem do nome Traíra

Traíra é uma palavra de origem do idioma indígena Tupi, de tareýra, que por sinal significa “que arranca a pele“.

Seu nome científico é Hoplias spp, e é pertencente à família Erytrinidae.

Traíras sendo pescadas

Em inglês, francês e espanhol possui o mesmo nome: Hoplias.

Se for a algum país que fale essas línguas e se deparar com esse nome no cardápio de um restaurante, não se assuste. É apenas o bom e velho peixe traíra.

Habitat da Traíra

As traíras estão em quase todos os rios brasileiros

O peixe Traíra é encontrado praticamente por toda a América do Sul. Somente nos rios da Patagônia e nas áreas transandinas que não. Isso se deve pela temperatura da água que não favorece nada a sua vida.

Por conta de estar presente em praticamente todos os rios do Brasil, é um peixe muito presente na culinária brasileira.

Normalmente, este peixe é encontrado em águas paradas, como brejos e lagoas. Pois nelas encontra presas mais fáceis. Por serem carnívoros, alimentam-se de outros peixes, rãs e insetos.

A traíra fica parada para poder atacar

No fundo das lagoas e dos igarapés é possível encontrar esse peixe. Ele sempre ficará lá, parado. Esperando que sua presa mal note a sua presença. Quando menos se esperar, ele dá o bote e come-a.

Algo incrível desse peixe é ele sobrevive até mesmo em águas mais sujas.

O pouco de oxigênio que tiver na água já tornará um espaço habitável. E caso esteja ficando quase sem oxigênio, vai migrando lentamente.

Corpo da Traíra

Sua coloração varia da região

Ela possui uma boca grande com dentes sobressalientes e afiados.

Sempre prontos para dar um bote preciso, quem pesca ela sabe bem disso, a mordida dói e dói muito, por isso deve tomar muito cuidado ao pescar ou mesmo quando for tratar.

Ela possui dentes afiados e olhos grandes comparado a outros peixes

Sua língua é áspera para ajudar na mastigação dos alimentos. Seus olhos são maiores em relação a outros peixes.

Sua coloração varia pouco. Entre tons de marrons, com manchas pretas e próximas ao verde. Isso favorece para que se esconda quando for atacar sua presa.

O peixe Traíra também é relativamente pequeno. Chega a ter por volta de 40 centímetros e normalmente 2 quilos.

Reprodução

Os machos protegem os ovos

Para quem tem interesse em um peixe que se reproduza muito, a Traíra é uma ótima opção.

Seu período de reprodução ocorre nas épocas de chuvas. Ou seja, são longas épocas do ano a depender da região do país.

Como dito, o peixe não precisa de tanto oxigênio para sobreviver e suporta mais tempo ficar sem comer que outras espécimes.

Após o acasalamento, o macho fica responsável pelas ovas. Qualquer ameaça será, sem dúvida, atacada.

Traíra macho cuidado dos ovos

O local que ficam as ovas é feito pelo macho e pela fêmea.

O lugar seria como uma cabaninha de areia ou barro para que as ovas tenham ainda mais proteção do que já possui.

A Traíra não deve ser confundindo com o Trairão (Hoplias larcerdae).

Trairão na parte de cima e traíra na parte de baixo

Apesar de semelhantes, possuem características que os distinguem. Sendo a principal que a Trairão fica muito maior que a Traíra.

Alimentação da Traíra

Ela é carnívora e também se alimenta de ração

Para sobreviver, tem a habilidade de caçar a hora que necessitar. Mas prefere realizar a atividade quando começa a escurecer.

Rápido e atento, fica imóvel e dá um bote certeiro.

Por conta de sua boca ser um pouco maior e seus dentes afiados, dificilmente a presa consegue escapar. Por ser rápido, engole o pobre animal inteiro em questão de milésimos de segundo.

Boca de traíra aberta

Ele pode até mesmo comer um outro peixe da mesma espécime desde que seja menor, sem piedade.

Também é possível encontrar o peixe em alguns pesqueiros.

Neste caso não se alimentam somente de outros animais, mas também de ração. Entretanto, há quem diga que sua adaptação não é tão fácil, sendo mais fácil para quando o peixe já nasce em cativeiro.

Quais iscas mais indicadas para pescar a Traíra

Pode ser tanto iscas artificiais quanto vivas

A Traíra é um peixe de fácil pesca. Com iscas naturais como pedaços de frango, camarão e até mesmo outros peixes.

Para pescá-lo você pode tanto usar varas, como até mesmo linha de mão com um anzol.

Entretanto, caso você não tenha muita habilidade com a pesca, não deve tentar pegar a Traíra com uma linha de mão.

Muitos pescadores já foram mordidos por ele. É um peixe muito esperto e ágil.

Linda traíra sendo pescada

É sempre indicado que tenha um alicate para te auxiliar. Mesmo parado, esse peixe pode estar somente esperando para fazer um ataque, assim como acontece com suas presas.  

Outro método muito comum para pescar a Traíra é com uma vara de bambu, o chamado método varejão. Quando a vara toca rapidamente a água, a Traíra é atraído pelo barulho, em seguida joga a isca como uma armadilha para pegar o peixe.

Uma dica para atrair o animal com maior facilidade é o uso do chumbo. O barulho quando este toca na água, o atrai. Assim, você conseguirá atrair com maior facilidade.

Pesca com Isopor

Sabia que existe uma forma de pescar traíras sem precisar está esperando no barco ela fisgar?

E não estou falando de rede de pesca.

Esse método não é muito comum mas é extremamente eficaz e muito fácil de fazer,é conhecida na Bahia como boia bêbada.

Se tem esse nome porque você vai deixar a boia no rio e quando voltar ela não estará no mesmo lugar pois o peixe fisgou e tentará fugir.

Basicamente você vai recortar pedaços de isopor em mais ou menos 10cm por 4cm, fazer um furo no meio desse pedaço, e nesse furo irá passar uma linha de anzol e você irá amarrar, pode passar mais de uma vez para garantir que está seguro.

Atenção: Não deixe o nó frouxo, de nada adianta a Traíra fisgar e puxar a linha com tudo.

Você vai deixar mais ou menos 1,5m da linha solta e na ponta você irá colocar o anzol.

Agora é só você colocar uma isca nas boias, elas adoram carne, espalhar pelos cantos do rio ou lago no finalzinho da tarde e ir para casa, que pela manhã você terá pegado algumas traíras ou até outros peixes.

Detalhe: Coloque as boias nas beiradas, assim impede que a correnteza ou o vento as leve.

Esses tipo de estratégia não é muito boa em lugares com muitos pescadores, a não ser que você seja amigos deles, pois algum pode querer lhe passar a perna e pegar suas traíras.

Mas se você vai pescar em algum lugar que não tem muita gente é perfeito, o trabalho mesmo é só remar.

A culinária e a Traíra

Traíra é excelente para um almoço

Muitas pessoas evitam comer a Traíra. É um peixe com muitas espinhas, ao todo são quase 150.

Normalmente, há o medo de que alguém engasgue e tenha de ir ao hospital.

Entretanto, o modo de se fazer a Traíra é determinante para que nenhum acidente aconteça.

Você pode fazê-lo frito, recheá-lo, fazer ao molho e outras receitas que você quiser experimentar, são muitas opções.

A traíra frita é um prato bem fácil de fazer

A maneira mais fácil de retiras as espinhas é cortar 2 filés separados da espinha dorsal.

Para fazer frito:

  • limpe as escamas, o interior do peixe, corte a cabeça e o rabo e retire as espinhas;
  • Faça pequenas tiras ou deixe os filés inteiros e tempere com limão, pimenta do reino e sal a gosto;
  • Se puder, deixe descansar por algum tempo;
  • Empane no fubá e frite o em óleo quente;
  • Seque o excesso de óleo em um guardanapo.

E está pronto! Só servir!

Aposto que ficou com água na boa.

Outra opção de receita é que você faça na panela de pressão.

Traíra feita na panela de pressão
  • Corte cebolas, alhos, tomates e pimentões;
  • Coloque azeite em sua panela de pressão e faça camadas com os legumes intercalados com o peixe;
  • Coloque sal e pimenta do reino a gosto;
  • Acrescente um copo de vinagre de vinho de tinto. Isso ajuda que o espinho fique mole sem apresentar grandes riscos;
  • Ao por no fogo, de uma mexida;
  • Depois coloque água o suficiente para cobrir todos os ingredientes e feche a panela de pressão;
  • Deixe por 50 minutos depois de pegar fervura.
  • Quando abrir, verifique o ponto e como estão os espinhos. Caso queira eles mais moles, coloque novamente na pressão.

E está pronto para servir.

Curiosidades sobre a Traíra

Esse peixe é muito importante para várias famílias do Brasil

A Traíra é um dos peixes mais comuns no Brasil. Por isso, marca presença na culinária.

Entretanto, deve-se ter alguns cuidados quando para pesca-lo.

A Traíra é um peixe arisco e rápido, por isso pode dar mais trabalho aos pescadores, não têm aquele que já pescou traíra que não tido alguma dificuldade alguma vez.

Não se deixe enganar por ele. Quando ele está parado, significa que está com máxima atenção. Está apenas esperando um deslize para atacar. Por isso, tenha cuidado para não levar mordidas durante a pesca.

Ela parada significa que está com mais atenção

Por ser abundante, é de extrema importância para famílias ribeirinhas. Sendo tanto importante para o sustento delas, como também para o comércio.

No mais, é um peixe extremamente saboroso.

Não deixe de experimentar. Caso tenha receio de se machucar com ele, vá a um dos vários restaurantes especializados somente na Traíra que estão espalhados por todo nosso Brasil.

Robalo

O Robalo é uma espécie de peixe maravilhosa como podemos conferir na foto abaixo:

O Robalo é amado no Brasil por praticamente todos os pescadores e as razões são muitas.

Seja pela grande emoção que é fisgar e trazer pra o barco esse belo peixe, seja pela sua saborosa carne, dentre muitas outras.

Vamos conhecer um pouco mais sobre este peixe tão apreciado na nossa culinária e que proporciona uma emocionante pescaria 😉

Pescando Robalo

Origem do Nome

Do espanhol lobarro, este peixe é encontrado em toda a costa brasileira.

As espécies são diferenciadas umas da outras por conta do número de escamas laterais e espinhos nas nadadeiras.

O  robalo também é conhecido como robalinho, peba, chaliço, camurim, escalo ou robalete.

Principais Características do Robalo

O nome cinetífico do Robalo é Centropomus spp, ele vem da família dos Centropomida e da ordem dos Percídeos.

Existem seis espécies de robalo encontradas no Oceano Atlântico.

Quatro delas encontram-se no Brasil, das quais as que mais se destacam são: o Robalo-Flecha e o Robalo-Peva.

Os dois possuem o corpo alongado e estreito, sendo a mandíbula inferior mais saliente como pode ver na imagem abaixo:

Diferenças entre Robalo Flecha e Peva

Robalo Flecha

O Robalo-Flecha é a maior espécie da família e pode alcançar até 1,2 metros de comprimento e chegar aos 25 Kg.

Seu dorso é acinzentado com reflexos esverdeados e o ventre, esbranquiçado. Sua linha lateral é uma listra negra que percorre todo o corpo até o final da nadadeira caudal.

Robalo Flecha

Robalo Peva

Um pouco menor do que o Robalo Flecha, o Robalo Peva alcança até 50 cm de comprimento, podendo chegar aos 5Kg.

Seu dorso é de um tom cinza esverdeado e sua lateral é esverdeada.

Robalo Peva

Onde Encontrar Robalo

Do Amapá ao Rio Grande do Sul, é fácil encontrar esse peixe também chamado de Robalete.

Os cardumes são mais encontrados na região Nordeste, onde o robalo atinge tamanho e peso maiores do que os achados mais ao sul.

São peixes de água salgada mas também vivem em água doce.

O robalinho conseguem viver por vários quilômetros acima da foz, ou seja na água doce, pois  têm uma tolerância de variação de salinidade no ambiente aquático

Vive geralmente nas águas costeiras, mas também pode ser encontrado nas partes altas dos rios.

Sendo que quando a maré corre, ou seja quando esta subindo ou descendo, é o estágio onde ele fica mais ativo, e as melhores luas para sua pescaria são a minguante e crescente.

Os dias quentes também são mais indicados para a pesca do robalo.

Cardume de Robalos

Hábitos do Robalo

Como são peixes que gostam mais das águas costeiras, eles ocorrem mais nos manguezais, baías, onde se localizam os canais para o desembocar dos rios.

Encontrados em águas salgadas, podem ainda ser capturados desde o começo do rio até vários quilômetros acima da foz principalmente na época da desova.

Os Robalos gostam de águas mais calmas, um pouco barrentas, sombreadas e ficam próximos ao fundo.

O robalo é um grande predador, se alimenta de peixes pequenos e crustáceos como por exemplo os camarões e caranguejos.

No mar geralmente se alimenta de tainha, sardinha e outros pequenos peixes. Já em rios suas presas preferidas são lambaris, piabas e filhotes de peixes em geral.

Robalo Caçando

Pescando Robaletes

Podemos pescar os robalos tanto com iscas vivas quanto com as artificiais.

Caso prefira as vivas, as mais usadas são o camarão, corrupto, manjuba, piaba, lambari, barrigudinho e mamarreis.

Já as iscas artificiais mais utilizadas são as de fundo, de meia-água ou até mesmo a de superfície.

O que vai ajudar na escolha da isca é como está a atividade do peixe.

Quanto a cor da isca artificial, o que determina é a cor da água; se estiver em aguas claras, use as deste tom ou cores mais fortes se a água for mais escura.

Pescando Robalo

As iscas vivas devem ser arremessadas nas margens ou serem usadas na rodada, mais próximas ao fundo.

Já as artificiais devem ser jogadas junto aos troncos e galhadas nos arredores da margem.

Iscas Vivas para Robalos

Equipamentos Para Pescar Robalinho

Vá Preparado Porque São Peixes Bons de Briga!

A vara que dá melhor resultado para esta pesca é a ação média, de 5.8 a 7 pés e a linha varia conforme o tipo de isca e ambiente que for usada, pode-se usar a de monofilamento ou multifilamento.

Já o molinete, é melhor escolher os modelos que comportam acima de 100 metros de linha.

Algo muito importante é que se faz preciso atar as linhas a um arranque porque depois de fisgado o robalo procura proteção entre galhos e outros locais.

Robalo Perseguindo Isca Artificial

Robalo na Culinária

O Robalo é um dos peixes mais versáteis na hora de preparar um cardápio diferenciado, pois este peixe possui um gosto marcante e sedutor ao paladar.

Tem a carne branca e se desfaz em lascas.

É excelente quando preparado em um fio de azeite e servido com risoto de limão. Pode-se usar como acompanhamento também a polenta com molho e tomates.

Robalo Assado com Batatas
Filé de Robalo
Robalo Grelhado
Robalo com cogumelos

Propriedades Nutricionais do Robalo

Uma porção de Robalo (aproximadamente 130 gramas) contém uma média de 125 calorias.

Ou seja, é um dos alimentos menos calóricos, pois contém cerca de 97 calorias a cada 100 gramas e conta com uma média de 23,6 g de proteína, 0,0 de carboidratos e 2,6 g de gordura.

O Robalo possui nutrientes como ômega 3 e cálcio.

Além disso o robalo é rico também em ômega 3, ferro e sais minerais como cálcio, iodo, fósforo e outros.

Reforça o sistema imunológico e auxilia ainda a memória, raciocínio e melhora a capacidade de concentração.

Reprodução do Robalo

Com a reprodução nos períodos de Novembro até Março e Abril, as fêmeas já passam a ficar mais nos lugares aonde irão fazer a desova.

Os machos formam seus grupos e também começam a frequentar este local.

Os Robalos maiores são mais solitários ou permanecem em casais quando está na época do reprodução.

As fêmeas então nadam suavemente rente ao fundo entrando e saindo de suas tocas.

Enquanto ocorre este movimento, os machos ficam atentos e mantém a atenção, vigilantes.

As fêmeas então vão depositar seus ovos na areia, cascalho, pedra rolada aonde em seguida os machos lançam o sémen e ocorre a fecundação.

Os machos podem ainda permanecer junto a sua fêmea para garantir a fecundação e protegê-la.

No inverno as fêmeas estão ovadas e a caminho de completar mais um ciclo reprodutivo.

Muitos ovos vão eclodir naturalmente, outros não terão tanta sorte e serão comidos, ou vão ser levados pela maré afora ou até mesmo enterrados.

Mas o ciclo reprodutivo natural funciona assim mesmo.

Por isso é importante sempre respeitar este período para que o emocionante esporte de pesca do Robalo esteja garantido ainda por muitas gerações!

As Leis Ambientais de Pesca

O período de desova desse peixe é muito importante, pois só assim se consegue garantir que espécie continue abundante em nossas águas.

Em se tratando de desova, é preciso ficar atento para as leis ambientais que dizem respeito a esta espécie.

Nos meses de Novembro e Dezembro, acontece sua reprodução, onde sua pesca é proibida.

Você pode consultar o calendário do Ibama para os períodos de defeso (período onde a pesca é proibida para permitira a reprodução as espécies) pelo próprio site da instituição.

Consulte o período de defeso clicando aqui

Alguns estados limitam também o tamanho permitido para a pesca.

No Paraná, por exemplo, o Robalo-Peva só pode ser capturado se tiver no mínimo 40cm. Já o Robalo-Flecha, o mínimo é entre 60 e 70cm.

Robalo Apreendido no Período de Defeso

Curiosidades Sobre o Robalo

  •  O Robalo é um peixe bom de briga. Costuma ser voraz quando pega a isca e mostra que de bobo não tem nada ao tentar se livrar do anzol;
  • Na região do Nordeste brasileiro é onde mais se concentra os cardumes. Ali inclusive é onde podemos encontrar espécies maiores e mais pesados;
  • 30 kg. Isso mesmo, é um peixe que pode chegar a mais de 30 kg;
  • Nosso amigo é muito desconfiado por si só, principalmente com as iscas artificiais;
  • Costuma caçar quando acontece a movimentação das águas seja na vazante ou quando a maré sobe;
  • Não se esqueça de sua marca registrada: o Robalo mesmo tem aquele fio, aquela listra que fica evidente ao longo de seu corpo;
  • O apelidado “rei dos manguezais” espalha sua nobreza por todo este ambiente, além de ficar nos no fundo de baías, lagoas e costas;
  • Na hora de saborear esta carne deliciosa, se quiser a posta inteira, é bom fazê-lo ao vapor. Se cozida, saiba que seu cozimento deve ser rápido para manter as fibras e também a umidade, mas assim mesmo a carne tende a se desfazer em lascas.

Com todas estas informações, agora você tem muitos mais motivos para embarcar nesta pescaria. Pronto para mais esta emoção?

Então prepare seu equipamento e vai viver essa emoção que é pegar esse peixe bom de briga.

Vou ficando por aqui, até o próximo artigo 😉

Tucunaré

O Tucunaré é magnífico como pode ver nessa foto abaixo.

O Tucunaré é um Peixe Magnifico

O majestoso Tucunaré, esse peixe de água doce se tornou símbolo da pesca esportiva no Brasil!

Mas deixar a pescaria emocionante é apenas uma das características desse peixe, por exemplo sua carne também é muito apreciada.

Vamos falar um pouco mais sobre esse peixe em mais detalhes agora.

Origem do nome Tucunaré

O nome Tucunaré vem do Tupi, a partir da junção das palavras “Tucum” e “aré” que significa “semelhante ao Tucum”, pois o Tucunaré possui em sua nadadeira dorsal uma semelhança com o Tucum, que é um tipo de palmeira espinhenta.

Em alguns locais você vai ouvir falar que o significado do nome Tucunaré seria “amigo da árvore”, mas o real significado é “Semelhante ao Tucum”.

O significado de Tucunaré é “Semelhante ao Tucum”

Principais Características do Tucunaré

Seu nome científico é Cichla spp, vem da família dos Cichlidae e é da ordem dos Perciformes.

Até esse momento existem 15 espécies de tucunarés catalogadas, as quais falaremos mais adiante.

Tucunaré são peixes ósseos de escamas que medem entre 30 centímetros e 1 metro de comprimento. Já o seu peso varia entre 3kg e 10kg.

Tucunaré Açu Gigante

A sua cor é bem variada dependendo de alguns fatores como, espécie, período reprodutivo e tipo de água, você vai encontrar tucunaré amarelado, avermelhado, cinza, quase preto e até azul!

As manchas do corpo acabam variando também devido às mesmas circunstâncias.

As várias cores do Tucuna

Mas todos tem por característica uma mancha redonda, também conhecida como ocelo, que fica em sua cauda.

O Ocelo é uma Mancha que Todos os Tucunarés Tem

Onde se Encontram Tucunarés no Brasil

O Tucunaré é originário das Bacias Amazônica e Araguaia-Tocantins, mas foram introduzidos em praticamente todas as regiões do Brasil.

Não são peixes de água corrente.

São peixes que costumam ficar em locais como rios, lagoas, lagos e estuários, mas que sejam de águas tranquilas ou paradas.

Pesca Esportiva do Tucunaré

Pesca Esportiva do Tucunaré

A razão para ser hoje um símbolo da pesca esportiva no brasil é bem simples…

Quando o tucunaré ataca ele não para até pegar a presa!

Eles costumam caçar durante o dia e nas beiradas. Acaba sendo comum onde tem esse peixe escutar as batidas ou mesmo ver as águas se abrirem durante a caçada, tamanha é ferocidade dos ataques.

Fisgando um Tucunaré

Os tucunarés atraem pescadores devido a grande emoção e dificuldade em capturá-lo.

Quando utilizadas iscas de superfície é possível mesmo ver esse majestoso peixe saltar várias vezes para fora da água o que traz muito mais emoção a pescaria.

Tucunaré Explodindo Fora da Água

Os tucunarés pegam suas presas em movimento, por isso tanto iscas vivas como artificiais são eficientes.

No entanto na pesca com isca artificial você deve manter a isca em movimento o tempo todo pois o tucunaré ataca algumas vezes até ser realmente fisgado.

Tucunaré Saltando

São peixes bem curiosos e muitas vezes se aproximam de coisas se batendo na água.

Por isso alguns pescadores costumam parar o barco próximo a margem e baterem na água com o remo e depois de um tempo lançam a isca.

Um peixe Curioso

É possível captura-lo também com isca viva, utilizando peixes como piaba ou lambari, deixando a linha solta apenas com o movimento da próprio isca até que o tucunaré decida persegui-lo.

Hábitos do Tucunaré

Os tucunarés caçam de dia e dormem durante a noite. Fazem suas “camas” no chão em terrenos firmes próximo a pedras e troncos grandes em águas não muito fundas.

Pescadores costumam preparar armadilhas para esse peixe devido a esse hábito.

Eles colocam pneus em locais estratégicos para servir de cama para esses peixes e vão a noite com tarrafa e jogam bem onde deixaram o pneu, pois o tucunaré costuma usar o local para dormir.

Pesca de tucunaré com tarrafa

É um peixe muito territorialista. Seja o peixe rival de qualquer espécie ou tamanho o tucunaré enfrenta o inimigo para defender seu território.

Alimentação do Tucunaré

Este peixe ataca praticamente tudo que se movimenta na água e que ele tem capacidade de engolir.

Por isso a alimentação dos tucunarés vai de peixes adultos, filhotes, lambaris, camarões, pitus e até mesmo insetos.

Isca viva para Tucunaré

O tucunaré é um peixe tão voraz quando se trata de se alimentar, que come sua própria espécie, ou seja são canibais.

Mas isso acontece apenas quando são filhotes. O canibalismo só para no momento que o filhote cresce e aparece a mancha redonda da cauda.

Reprodução e Acasalamento

O Tucunaré tem um período de reprodução relativamente longo. Vai de setembro a dezembro no sul do Brasil e no nordeste vai de junho a dezembro, sendo que nesse período a desova pode acontecer várias vezes.

Nesta momento o Tucunaré macho se torna mais agressivo e pouco atrás da sua cabeça cresce uma protuberância, popularmente chamada de “cupim” pois ela fica similar ao cupim de um boi.

Cupim do Tucunaré similar ao do Boi

Para a desova os tucunarés fazem um tipo de ninho com pequenas pedras onde após a desova o casal toma conta afugentando qualquer intruso que ousar chegar perto.

Os pais tomam conta dos filhote até eles terem aproximadamente dois meses de vida e medirem em torno de 60mm.

Tucunaré com seus filhotes

Passado esse tempo os alevinos são abandonados pelos pais e formam um gigantesco cardume chegando a ter milhares de filhotes de tucunaré.

Neste momento os filhotes costumam ir para locais com mais vegetação e próximo as margens onde a água é mais quente e podem se proteger melhor dos predadores.

Durante o período reprodutivo, devido o tucunaré estar tomado conta de seus filhotes, a melhor coisa a se fazer é não pegar o tucunaré.

As Espécies de Tucunaré

Atualmente existem 15 espécies de tucunaré identificadas desde a última revisão em 2006, veja abaixo quais são essas espécies, seus respectivos nomes científicos e popular e quanto costumam pesar.

Nome Científico Nome Popular Peso
Cichla temensis Tucunaré Açu 15kg
Cichla pinima Tucunaré Pinima 12kg
Cichla vazzoleri Tucunaré “não definido” 10kg
Cichla piquiti Tucunaré Azul 7,0kg
Cichla intermedia Tucunaré Royal 6,0kg
Cichla melaniae Tucunaré “não definido” 6,0kg
Cichla mirianae Tucunaré Fogo 6,0kg
Cichla orinocensis Tucunaré Borboleta 6,0kg
Cichla pleiozona Tucunaré Pitanga 5,5kg
Cichla jarina Tucunaré Jari 4,5kg
Cichla thyrorus Tucunaré “não definido” 6,0kg
Cichla monoculus Tucunaré Popoca 3,5kg
Cichla ocellaris Tucunaré Borboleta Florida 3,5kg
Cichla kelberi Tucunaré Amarelo 3,0kg
Cichla nigromaculata Tucunaré Tauá 3,0kg
Os 15 tipos de Tucunaré

Tucunaré na Culinária

Para quem gosta de culinária vai apreciar muito a carne desse peixe.

O tucunaré é um peixe bem carnudo, podendo tirar postas bem volumosas.

Sua carne tem uma ótima qualidade, costuma ser amarelada e não possui espinhas.

Possui por volta de 100 calorias, 21% de proteínas e apenas 1% de gordura por cada 100 gramas.

A forma de consumo é bem diversificada, podendo haver diversas formas de preparo, seja frito, em moqueca, assados e muitas outras.

Veja abaixo alguns pratos feitos com tucunaré.

Tucunaré na brasa.
Tucunaré Frito
Moqueca de Tucunaré

Curiosidades Sobre o Tucuna

Tucunaré-Açu
  • São quase R$ 20 milhões deixados todos os anos durante a temporada de pesca do tucunaré no Amazonas, que vai de setembro a Abril, só por pescadores estrangeiros, em sua grande maioria norte americanos.
  • A espécie de tucunaré mais procurada é o Tucunaré-Açu, pois é a maior espécie dentre as 15 catalogadas.
  • Quando filhotes, os tucunarés vivem em cardumes que são muito grandes.
  • Ao chegarem em um tamanho mediano passam a nadar em pequenos cardumes de pouco mais de vinte.
  • Quando adultos andam sozinhos ou em pares, estando ou não em período de reprodução.
  • Tucunarés de represas e lagos costumam nadar em médios cardumes próximos a margem e saídas de águas das represas onde costumam caçar pela manhã e final da tarde.

Com tudo isso tudo que posso falar pra finalizar é: Uauuu, que peixe fantástico!!

Não sei você, mas eu vou correr agora, preparar minhas iscas e ir pescar, na intenção de fisgar um desses.

Depois eu volto aqui pra falar como foi a emoção de pegar esse símbolo nacional da pesca.

Até a próxima!