O ácido no oceano está literalmente comendo as cascas dos caranguejos

Os caranguejos que vivem em águas costeiras ácidas são menores, mais fracos e estão vendo as suas conchas derreterem 

Os seres humanos injetaram cerca de 2 trilhões de toneladas (1,8 trilhões de toneladas para ser mais exato) de dióxido de carbono (CO2) para a atmosfera desde o início da Revolução Industrial, e o oceano absorveu cerca de 25% disso.

Este excesso de gases de efeito estufa não só aquece o oceano (contribuindo para ondas de calor mais frequentes e clima severo), mas também muda a química da água, acidificando-a lentamente e reduzindo a concentração de blocos moleculares que moluscos, corais e outras formas de vida marinha usam para construir suas cascas externas duras. De acordo com um novo estudo, essa confusão molecular já está a ter efeitos nocivos no desenvolvimento de alguns bebês caranguejos.

Você sabia que os barulho dos navios atrapalham os caranguejos?

Na nova pesquisa, publicada em 22 de janeiro na revista Science of the Total Environment , cientistas marinhos financiados pela National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA) estudaram 50 larvas de caranguejos Dungeness ( Metacarcinus magister ) coletados em 10 locais perto da costa do Pacífico do Estados Unidos e Canadá. 

Alguns dos resultados dos estudos

No geral, os caranguejos coletados perto da costa, onde os oceanos tendem a ser mais ácidos, estavam em muito pior estado do que os caranguejos coletados mais longe no mar.

A acidificação corroeu as cascas das larvas, retardou seu crescimento e, em alguns casos, danificou ou destruiu os minúsculos órgãos sensoriais dos animais, conhecidos como mecanorreceptores. Ao todo, escreveram os pesquisadores, a acidificação deixou as larvas menores, mais fracas e com menos probabilidade de sobreviver até a maturidade. 

Consequências da acidificação

A condição destes caranguejos, que são uma importante fonte de alimento para os seres humanos e outras criaturas marinhas, deve ser um alerta para os perigos da acidificação, disse a autora do estudo principal Nina Bednarsek ao CNN.

“Se os caranguejos já são afetados, realmente precisamos nos certificar e prestar muita atenção aos mais variados componentes da cadeia alimentar, disse Bednarsek, um cientista sênior do projeto de pesquisa de água costeira do Sul da Califórnia.

No novo estudo, Bednarsek e seus colegas investigaram cada caranguejo larval usando uma variedade de métodos, incluindo microscopia e espectroscopia de raios-X (uma técnica que usa raios-X para determinar a composição química de um objeto).

A equipe notou claras “deformidades estruturais” nas cascas das larvas de caranguejo recolhidas dos habitats mais ácidos. 

Essas deformidades podem tornar as larvas menos protegidas contra predadores. Estes mesmos caranguejos de locais ácidos também tendem a ser menores do que aqueles de ambientes menos ácidos, e alguns estavam faltando alguns de seus mecanorreceptores de cabelo, que os caranguejos usam para navegar pelo mar.

Os efeitos foram mais graves em caranguejos que passaram mais de um mês vivendo em águas costeiras ácidas. 

A razão para isso, os pesquisadores escreveram, é que as águas mais ácidas têm menos íons carbonatados, os tijolos moleculares que moluscos e corais usam para construir seus exoesqueletos. Outros animais marinhos, como mariscos e ostras, dependem dos mesmos íons para prosperar.

Se esses animais estão sendo prejudicados da mesma forma pelo oceano ácido, isso pode causar um problema que abrange a cadeia alimentar, disseram os pesquisadores. De qualquer forma, eles disseram, a única solução é reduzir as emissões de Dióxido de carbono o mais rápido possível.

Deixe seu voto 😉
[Total: 0    Média: 0/5]
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Ei Vc, entre no Grupo do Telegram e veja as novidades da pescaAperte Aqui