Mulher faz SEXO com um golfinho – Experimento Científico

É um mundo estranho, estranho em que vivemos; e essa história não faz nada para disfarçar essa afirmação. 

Uma mulher fez sexo com um golfinho.

Verdadeiramente, a sério, literalmente, e todos os outros termos em que você pode pensar.

Um Golfinho Pode Falar?

Na década de 1960 (uma década em que podia praticamente tudo), a pesquisadora de animais Margaret Howe Lovatt participou de um experimento financiado pela NASA que tentou ensinar às criaturas marinhas a falar inglês.

Isso já é meio estranho, mas é válido lembrar que os golfinhos são uns dos animais mais inteligentes do planeta.

Três golfinhos foram alojados em um tipo de Aquário doméstico para golfinhos – essencialmente uma casa normal inundada com água até os joelhos – na tentativa de aproximá-los de seus professores humanos.

Um Golfinho se Destacou- E Não Foi Por Falar

Mas parece Margaret fez uma conexão especial com Peter, o único golfinho macho do grupo, que ela descreveu como “um rapaz jovem” que era “sexualmente maduro e um pouco travesso”. 

Em um documentário da BBC4,  The Girl Who Talking to Dolphins , Margaret falou sobre sua ‘experiência’ pela primeira vez em cinco décadas.

Quanto mais Margaret passava com o golfinho macho travesso, mais ele se aproximava dela. 

“Peter gostava de estar … comigo. Ele se esfregava no meu joelho, meu pé ou minha mão e eu permitia isso”, explicou ela.

Mas, sendo o adolescente “indisciplinado” que Peter era, logo se tornou perturbador demais mandá-lo descer o elevador do aquário para ‘brincar’ com suas espécies femininas e livrá-lo de seus impulsos. E Foi  quando aconteceu.

Margaret descreve no documentário.

“Eu não estava desconfortável – contanto que não fosse muito difícil. Era mais fácil incorporar isso e deixar acontecer, era muito precioso e muito gentil, Peter estava ali, ele sabia que eu estava ali “.

Embora provavelmente pudéssemos ter usado nossa imaginação para perceber que ambos estavam “ali”, visto que estavam  fazendo aquilo

“Foi sexual da parte dele”, continuou ela, “não foi sexual da minha … sensual talvez.” 

Somos todos a favor da individualidade, e somos especialmente a favor da ciência – mas nos parece um  pouquinho  diferente ter sexo completo (nem mesmo mergulhar na logística) com um golfinho quando você está apenas tentando para ensinar inglês a ele.

Independentemente do que pensamos, temos certeza de que foi uma experiência que Margaret valorizará à sua maneira única.

Veja  ela falando uma parte de sua experiência(Inglês, mas pode gerar legenda e traduzir)

Sexo com Golfinho é mais comum do que parece

Atos sexuais entre golfinhos e humanos têm uma história.

Malcolm Brenner escreveu o livro  Wet Goddess  sobre seu relacionamento de nove meses com um golfinho. Na Universidade de Nottingham Trent, o Dr. Mark Griffiths estudou delfinófilos (seres humanos sexualmente atraídos por golfinhos.)

Há também vários blogs e comunidades on-line dedicados ao estudo e valorização do sexo dos golfinhos, ou seja, é assunto bem debatido. 

O relacionamento entre Lovatt e Peter era certamente antinatural, mas não inédito. 

Nos anos 60 também teve outro caso parecido, foi o do Malcolm Brenner.

Malcolm Brenner e Sua Parceira Golfinho

O homem teve um relacionamento sexual de seis meses com ‘Dolly’, a golfinho, em um parque de diversões da Flórida em 1971.

Ele contou como a fêmea mamífera ‘o atacou’ enquanto ele estava na piscina com ela.

Ele começou seu relacionamento com um golfinho chamado Dolly em 1970, quando ele tinha pouco mais de 20 anos.

Brenner estava no segundo ano do New College of Florida, em Sarasota. Um escritor contratou Brenner para tirar fotografias para um livro infantil sobre o show de golfinhos em um parque de diversões nas proximidades de Nokomis.

Ele teve acesso livre ao parque e foi apresentado à equipe.

Inicialmente, “ela se tornou cada vez mais agressiva”, disse Brenner, que vive em Punta Gorda, na Flórida. “Ela se empurrava contra mim”.

Mas com o tempo, Dolly se tornou mais gentil, afirmou.

“Achei isso extraordinariamente erótico”, disse Brenner. “É como estar com um tigre ou um urso. Este é um animal que pode te matar em dois segundos, se você quiser.”

“Como mamíferos autoconscientes, os golfinhos são capazes de fazer ligações emocionais profundas com outros golfinhos e, aparentemente, também com humanos selecionados”, disse Brenner.

Veja Também: O Pescador e sua Esposa, Conto do Linguado

“Um golfinho pode morrer de solidão, de coração partido, de ansiedade de separação”.

Mas após cerca de nove meses, o parque de diversões Floridaland foi vendido para se tornar moradia e aparentemente nenhuma lei foi violada por Brenner.

Ele não conseguiu mais vê-la, mesmo tentando. Dolly faleceu 9 meses após suas última visita.

Ainda assim, peço que você fique longe dos golfinhos com capacidade sexual, eles podem acabar te matando sem querer.

Deixe seu voto 😉
[Total: 2    Média: 5/5]
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Ei Vc, entre no Grupo do Telegram e veja as novidades da pescaAperte Aqui