Confirmado: a Terra está transformando o oceano em diamantes salgados

Diamantes feitos a partir de sal do mar

Tem sido dito que os diamantes são eternos provavelmente porque “os diamantes são rochas mutantes de bilhões de anos, expostas a muitas vidas de pressões esmagadoras e temperaturas escaldantes no manto profundo da terra”.

De qualquer forma, demora muito tempo para que um pedaço de carbono se cristalize em um diamante cintilante. É tanto tempo, na verdade, que os cientistas não têm certeza de como eles são feitos.

Uma teoria popular sustenta que muitos diamantes se formam quando as placas do fundo do mar (parte de uma placa oceânica) trituram por baixo de placas continentais nas chamadas zonas de subducção tectônica. 

Durante o processo, a placa oceânica e todos os minerais do fundo do mar mergulham centenas de quilômetros no manto terrestre.

Lá é onde se cristalizam lentamente sob altas temperaturas e pressões dezenas de milhares de vezes maiores do que as da superfície. Eventualmente, esses cristais se misturam ao magma vulcânico chamado kimberlito e explodem na superfície do planeta como diamantes.

O suporte para esta teoria pode ser encontrado nos minerais oceânicos que dão às pedras azuis como o infame (e possivelmente amaldiçoado) diamante Hope o seu tom característico. No entanto, esses diamantes estão entre os mais profundos, raros e mais caros da Terra, tornando-se difícil de ser estudado. 

Diamantes nos oceanos

Diamantes brutos e um lapidado

A pesquisa publicada no dia, 29 de maio de 2019 na revista Science Advances fornece novas evidências para as origens oceânicas dos diamantes. Para o estudo, os pesquisadores analisaram os depósitos de sedimentos salgados dentro de uma classe muito mais comum de pedra, conhecida como diamantes fibrosos. 

Ao contrário da maioria dos diamantes que acabam nos enfeites de um casamento, os diamantes fibrosos são nebulosos com pequenos depósitos de sal, potássio e outras substâncias. Eles são menos valiosos para joalheiros, mas provavelmente mais valiosos para os cientistas que procuram descobrir as suas origens subterrâneas.

“Havia uma teoria que, os sais presos dentro de diamantes vieram da água do mar, mas não podiam ser testados”. Disse Michael Forster, professor da Universidade Macquarie na Austrália e autor principal do novo estudo, em uma declaração.

Veja: Esponja do mar com formato do E.T é descoberta

Então, a curta distância de traçar as origens antigas de um diamante real, Forster e seus colegas tentaram recriar em seu laboratório. Eles usaram reações super quentes, hiper pressurizadas que ocorrem quando minerais do fundo do mar subduto para o manto da Terra. 

A equipe colocou amostras de sedimentos marinhos em um recipiente com um mineral chamado peridotite, que é uma rocha vulcânica amplamente presente em profundidades onde se pensa que os diamantes se formam; então, eles expuseram a mistura a uma combinação de calor intenso e condições de pressão que imitam aqueles encontrados no manto.

Descobertas sobres os novos diamantes

Homem segurando diamante

Os pesquisadores descobriram que quando a mistura foi submetida a pressões de 4 a 6 gigapascals (40.000 a 60.000 vezes a média da pressão atmosférica ao nível do mar) e temperatura entre 1.500 e 2.000 graus Fahrenheit (800 a 1.100 graus Celsius), cristais de sal, formado com cerca de propriedades idênticas àquelas encontradas em diamantes fibrosos. 

Em outras palavras, quando o velho fundo do mar desliza para o profundo cadinho do manto, as forças de colisão criam as condições perfeitas para a formação do diamante. (Diamantes gemas, que são feitos de carbono puro e não incluem quaisquer depósitos de sedimentos, também podem ser criados desta forma.)

“Afirma os pesquisadores que existia algum tipo de fluido salgado que estava ao redor enquanto os diamantes cresciam. E agora confirmaram que o sedimento marinho se encaixa na conta”.

Forster ainda acrescenta que as mesmas experiências também produziu minerais que são essenciais para a formação de kimberlito, no qual os diamantes normalmente chegam à superfície da terra durante as erupções vulcânicas

Os diamantes podem ser partes da história oceânica antiga que você pode usar no dedo. E se essas pedras são muito caras para o seu gosto, não se preocupe você ainda pode usar um pedaço do passado extremo do planeta colocando um anel de ouro ou platina.

De acordo com um estudo recente na revista Nature, vestígios de minerais brilhantes nesses tipos comuns de jóias provavelmente originaram-se com uma colisão épica de estrelas de nêutrons que literalmente choveu no nosso sistema solar 4,6 bilhões de anos atrás.

Fonte: LiveScience

Deixe seu voto 😉
[Total: 0    Média: 0/5]
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Ei Vc, entre no Grupo do Telegram e veja as novidades da pescaAperte Aqui