As temperaturas do oceano influenciou a evolução da vida marinha

Os biólogos marinhos encontraram o primeiro exemplo claro de um processo há muito suspeito em que as diferenças na temperatura da água levam ao aparecimento de novas espécies

Cabo das agulhas, um dos locais do estudo

Esta pode ser uma das principais razões pelas quais os nossos oceanos contêm essa diversidade, algo que teremos de compreender para salvar.

As correntes oceânicas da Antártica e do equador encontram-se na ponta sul da África, criando condições dramaticamente contrastantes. O Professor Luciano Beheregaray da Universidade Flinders disse à IFLScience que o Góbio de areia adulto de Knysna pode prosperar em uma gama de temperaturas, mas as larvas são apenas adequadas para uma faixa um tanto estreita de temperaturas. B

Luciano liderou uma equipe que estudou os genes de gobies de áreas frias, quentes, subtropicais e tropicais ao largo da costa sul-africana.

O góbio da areia foi o animal que ajudou no desenvolvimento da pesquisa

O exemplo padrão de como as espécies divergem tem um rio novo ou mesmo ampliado dividindo uma população em dois. Uma vez que não podem cruzar a barreira para procriar, aqueles de cada lado da divisão tomam diferentes caminhos evolutivos, até que a reprodução se torne suficientemente difícil que, mesmo que os animais sejam reunidos geograficamente, sua genética permanecerá separada. Processos como estes são responsáveis por grande parte da diversidade abundante que vemos na terra.

Veja também: Fóssil revela Tartaruga do tamanho de um CARRO!

A evolução das espécies marinhas é mais difícil de explicar. Novos nichos ecológicos podem explicar as origens de alguns, mas divisões geográficas como aquelas em terra são obviamente raras. Biólogos têm especulado por algum tempo que gradientes de temperatura podem fornecer parte da explicação.

No entanto, Luciano disse à IFLScience, isto tem sido difícil de provar. Espécies estreitamente relacionadas que podem ter originalmente divergido por causa da temperatura eventualmente desenvolvendo outras diferenças genéticas tornando impossível provar a causa original.

As novas evidências

Para provar o caso, os biólogos precisavam de uma espécie onde os genes associados às temperaturas preferidas diferissem, mas tudo o resto é o mesmo. Mas com o teste em vários tipos de espécies, foi descoberto que o góbio de areia se encaixa muito bem para as explicações

Todos os genes relacionados com a temperatura do goby variam de acordo com as águas que ele habita, enquanto nenhuma diferença discernível poderia ser encontrada em outros genes.

“Com o tempo, o restante do genoma “alcançará” com os genes selecionados pela temperatura, e ainda mais tarde, as novas espécies também mudarão morfologicamente”, disse o primeiro autor Professor Peter Teske da Universidade de Joanesburgo em uma declaração por e-mail. 

“Só então serão reconhecíveis sem a ajuda de métodos genéticos.”

No entanto, Luciano observou que a mudança climática, já reformulando a distribuição de espécies costeiras marinhas, poderia distorcer o processo.

Luciano observou indivíduos com uma determinada afiliação de temperatura reconhecem, e preferem acasalar, com aqueles como eles, mesmo quando eles se dispersaram para além de seu alcance ideal.

As temperaturas desse ponto na costa sul-africana varia de 9°C a 30°C

Os autores da pesquisa alertam para a sobrepesca de uma espécie em certas águas, enquanto contam com vizinhos para substituí-los, vai sair pela culatra se os peixes aparentemente similares nas proximidades são geneticamente inadequados às condições daquela área.

Ou seja, cada um tem que ficar no seu quadrado.

Mas é, de fato, interessante como as descobertas cada vez mais nos aproxima de como as espécies evoluíram e continuam evoluindo. Essas pesquisas ajudam muito a todos e permite que possamos descobrir nosso passado e melhorar nosso futuro.

Fonte: IfScience.

Deixe seu voto 😉
[Total: 1    Média: 1/5]
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Ei Vc, entre no Grupo do Telegram e veja as novidades da pescaAperte Aqui