1 em cada 5 cinco gigantes dos mares podem ser extintos em um século

Os grandes tubarões-brancos, os tubarões-baleia, as tartarugas marinhas e vários dos gigantes mais característicos do oceano estão enfrentando sérios problemas. E isso pode ter um enorme efeito indireto em todo o ambiente marinho. 

Tubarão-baleia nadando
O tubarão-baleia, o maior peixe do mundo, está vulnerável

A Megafauna marinha é definida como criaturas que habitam o mar com uma massa corporal acima de 45 kg.

Pesquisadores da Universidade Swansea, no Reino Unido, investigaram recentemente quais características poderiam colocar a megafauna marinha em risco de extinção nos próximos 100 anos.

Reportando na revista Science Advances , eles estimam que até 18% dessas espécies de megafauna podem ser perdidas se as tendências atuais continuarem. 

tubarão-baleia com a sua grande boca aberta
Tubarão-elefante, o segundo maior peixe do mundo

No pior cenário, em que todas as espécies ameaçadas atualmente listadas na Lista Vermelha da IUCN são extintas, elas esperam ver até 40% das espécies desaparecerem.

“Este é um aviso de que precisamos agir agora para reduzir as crescentes pressões humanas sobre a megafauna marinha, incluindo as mudanças climáticas, enquanto alimentamos a recuperação da população”, disse John Griffin, co-autor e professor associado de biociências da Swansea University em uma declaração.

Gigantes Ameaçados

A megafauna em risco particular inclui muitas espécies de tubarões, raias, baleias, focas, peixes-boi, ursos polares, tartarugas marinhas, pinguins imperadores, amêijoas gigantes, lulas e polvos. 

Tartaruga marinha de couro (Dermochelys coriacea). Ela é a maior de todas as tartarugas vivas e é o quarto réptil moderno mais pesado. catalinaug / Shutterstock

Em primeiro lugar, algumas características desses animais os deixam especialmente expostos ao risco de extinção. 

Por exemplo, o estudo observa que os grandes tubarões brancos e tubarões-baleia são extremamente vulneráveis ​​porque são espécies altamente migradoras e conhecidas por cruzar grandes áreas do oceano, aumentando assim seu risco. 

Veja também: Islândia não matará baleias em 2020

Essas criaturas gigantes não são apenas alguns dos personagens mais queridos e reconhecíveis do mar, mas também desempenham um papel extremamente importante no ecossistema marinho. Elas consomem quantidades gigantescas de biomassa, transportando nutrientes através de habitats, conectando ecossistemas oceânicos e modificando fisicamente os habitats através de seu comportamento.

Mudanças Ambientais

O declínio da lontra trouxe grandes consequências

Como exemplo, os pesquisadores mostraram como o declínio da lontra marinha (Enhydra lutris) no sudoeste do Alasca desencadeou uma grande mudança no sistema florestal de algas no arquipélago das Aleutas, afetando tudo, de ouriços do mar a macroalgas.

Portanto, se perdermos esses gigantes, o ecossistema mais amplo sentirá os tremores. A pesquisa também estima que um declínio de 18% das espécies de megafauna marinha também se traduziria em uma perda de 11% da extensão das funções ecológicas. No cenário de 40% de perda de espécies, a extensão das funções ecológicas pode ser reduzida em quase metade. 

“Nosso trabalho anterior mostrou que a megafauna marinha sofreu um período de extinção incomumente intenso, pois os níveis do mar oscilaram há vários milhões de anos. Nosso novo trabalho mostra que, hoje, seus papéis ecológicos únicos e variados estão enfrentando uma ameaça ainda maior das pressões humanas”. A autora principal do estudo, Dra. Catalina Pimiento, paleobióloga e macroecologista da Universidade de Swansea, disse.

Portanto, medidas poderão ser tomadas para poder prevenir que a situação dos mares entre em colapso.

Deixe seu voto 😉
[Total: 0    Média: 0/5]
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Ei Vc, entre no Grupo do Telegram e veja as novidades da pescaAperte Aqui